O Misterioso Caso Duas Pontes - A Pesquisa da SBEDV

O Caso Duas Pontes, ou Caso Rivalino Mafra, envolveu um garoto, na época com 12 anos, que teria testemunhado o desaparecimento de seu pai em meio à uma experiência ufológica. Seis meses depois uma ossada é encontrada e atribuída ao desaparecido.

Página 1 - Resumo do Caso


Página 2 - A Pesquisa da SBEDV

 


SBEDV - Pesquisa - Transcrição do Boletim da SBEDV n° 30 - agosto/1962 e fevereiro/1963

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

A Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores, fundada em 1957, foi uma das primeiras instituições de pesquisa ufológica brasileira. A entidade investigou os mais importantes casos da Ufologia Brasileira de maneira séria e incisiva. Tendo linha notadamente científica, a SBEDV considerava o fenômeno OVNI como de caráter benigno e de origem extraterrestre. Suas pesquisas de campo eram divulgadas através de Boletins especializados, publicados entre 1957 e 1982. O presente artigo foi compilado a partir do Boletim da SBEDV n° 30, de agosto de 1962 e fevereiro de 1963.

O Diário de Minas, nos dias 26 e 28 de agosto de 1962 e a Última Hora também do dia 28, todos de Belo Horizonte, bem como no dia 29, a Tribuna da Imprensa, Luta Democrática e o Jornal, desta Capital, em reportagem ilustrada com fotografias, noticiaram: em localidade distante cerca de 30 Km de Diamantina, lugar ermo, próximo (40 minutos a pé ainda de Biribiry), um meno de 12 anos (R.M.A.) ao sair de casa, entre 6 e 7 horas da manhã, deparou com duas bolas, diâmetro aproximado de 40 cm, colocadas no chão, em frente à porta de sua casa. Chamou o pai, Rivalino Mafra que, ao se aproximar das tais bolas, segundo informa o garoto, foi envolvido por forte redemoinho de ar que, levantando o pó, dificultou-lhe a visão. Entrementes seu pai desaparecera, segundo pode verificar, quando serenou o movimento do ar. Dizem, ainda, os jornais que o Delegado de Polícia procurou em vão descobrir o paradeiro de Rivalino Mafra e providenciou a realização de testes psicológicos para verificar que razões encobririam as afirmações do menor.

Naturalmente que a SBEDV não conservou indiferente diante destas notícias: dirigimo-nos a Diamantina em duas ocasiões diferentes. A primeira em 3 de setembro, duas semanas após o desaparecimento de Rivalino e a segunda no período de 6 a 19 de dezembro de 1962.

O drama do menor que já era órfão de mãe e, repentinamente, privado do convívio paterno por um lado e por outro, inesperadamente, centro de atenção e controvérsia não só do público como da imprensa e de freqüentes interrogatórios da imprensa falada e escrita, passou a preocupar as autoridades. Acreditamos que, movido pelo desejo de protegê-lo foi que o Sr. Juiz de Diamantina determinou a internação do menor em um instituto do Estado.

Mas, também, devemos reconhecer que esta controvérsia e curiosidade do público e da imprensa se tornaram fator de inegável valor na difusão do estranho acontecimento.

A propósito do desaparecimento de Rivalino contou-nos o Sr. Francisco Prata, seu amigo, que era seu hábito, aos domingos, caçar paca nos córregos vizinhos, entretanto na sua casa foram encontrados chapéu, rolo de fumo, canivete e carteira o que faz supor uma saída imprevista. Também a atiradeira do menor permanece na casa abandonada, como a indicar a pressa dos que dela saíram.

Afirmou-nos ainda, Francisco Prata que Rivalino era pessoa normal, sem vícios ou inimigos, acrescentando que naquela região não há crime organizado, apenas passional.

O motorista Pio Miranda que nos levou a primeira vez a visitar a cabana de Rivalino foi o mesmo que lá conduziu o menor, bem como as autoridades e repórteres ocasião em que se pôde ver ainda uma roda (1,5 metros de diâmetro), num chão limpo como se tivesse sido varrido, cerca de 1,5 m a 2 m da porta da casa. Veja-se a fig. 2b, onde se vêem abóboras que marcam a posição das bolas no lugar do famoso redemoinho.

Não constituiu tarefa fácil para nós entrevistar o menor. Só em dezembro, quando já retornávamos ao Rio conseguimos fazê-lo, por deferência especial do Dr. Jazon Aller Garcia.

Neuropsiquiatria não é nossa especialidade. Entretanto, pudemos observar que o menino se manteve absolutamente coerente com as afirmações de que já conhecíamos através dos jornais.

Deu-nos , ainda pormenores: desenhou as duas bolas achatadas (2e) de diâmetro aproximado de 40 cm, uma preta e outra listrada de branco e preto, ambas com um "rabinho", para baixo, de 2 cm. Estas bolas se chocaram repentina e automaticamente, quando seu pai delas se aproximou. Não se ouviu barulho e apenas um chiado e levantamento de pó que lhe obscureceu a visão por uns 5 segundos, conforme pudemos calcular pela narrativa do menor. Conta ele, ainda, que estranhas ocorrências levaram pai e filho a velar e conversar a noite toda.

Em seguida ao desaparecimento do pai, o menor e seus dois irmãos pequenos, apavorados, foram morro acima e se refugiaram em casa de uma vizinha, contando-lhe o que havia acontecido.

A princípio não deu ela importância, o que só fez mais tarde à vista da insistência da afirmativa dos meninos.

Registre-se que, relacionado ao caso de Biribiri, foi verificada a presença de discos voadores nos céus de Diamantina, dois dias antes do desaparecimento de Rivalino Mafra.


Pesquisador da SBEDV, em visita ao local do fato. Duas abóboras ao chão indicam a posição dos objetos no momento em que foram observados inicialmente

Desenho confeccionado pelos pesquisadores da SBEDV a partir do depoimento de Raimundo Mafra

De pé, da esquerda para a direita: Paulo Ávila, José Domingos, Paulo Duarte, Fabiano Pimenta e Dona Antonieta Motta. Agachados, na mesma ordem, Francisco Machado, Erimar Couto (Bocage), meio escondido, Rômulo Rocha e Waltinho Silva [Fonte: Blog Arraial do Tijuco]


Conheça este caso mais detalhadamente acessando nosso menu abaixo:

Resumo do Caso
Relatório de Pesquisa do CICOANI, elaborado pelo veterano ufólogo Hulvio Aleixo que investigou o caso

A Pesquisa da SBEDV
Relatório de Pesquisa da SBEDV, elaborado por Walter Buller



Comentários (2)

Você está revendo: Caso 2 Pontes
Sort
5/5 (2)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
JOAO (campinas, Brazil) diz...
Interessante!
Gostaria de saber se o CICOANI ainda existe ?
17 June 2017 22.42
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
pedro r. novaes (belford roxo) diz...
Interessante por ser um jovem do interior sem conhecimento tecnológico, porem a ossada não foi examinada cientificamente na época, para ver se teria saliva de algum animal ou não na ossada encontrada.
13 June 2016 15.13
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • BULHER, Walter e PEREIRA, Guilherme. O Livro Branco dos Discos Voadores. Petrópolis: Ed. Vozes, 1983.

 


- Boletins
  • B25 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 30
  • B59 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 158-161

 


- Artigos de Revistas
  •  
     

 


- Documentos Oficiais

- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

- Outros
  •