O Grande Blackout

Em 1965, ocorreu um dos mais impressionantes casos ufológicos associados à efeitos eletromagnéticos da história da Ufologia. Na noite de 9 de novembro, vários OVNIs luminosos foram observados e registrados em proximidades de várias hidrelétricas no Nordeste dos Estados Unidos e Canadá. Durante as observações, ocorreram apagões sucessivos que deixaram partes dos dois países às escuras.


Transcrição de trecho do Livro UFO - Observações, Aterrissagens e Sequestros, de Yurko Bordachiuk

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

A 9 de novembro de 1965, a região nordeste dos Estados Unidos e do Canadá mergulhou, abruptamente, numa escuridão total. O pior blackout de todos os tempos ficou conhecido como o "Grande Blackout".

Os fatos são bastante conhecidos. As 17:16, no auge do pico noturno, a energia elétrica fornecida para um sexto da população do continente foi repentinamente, cortada, prendendo milhões de pessoas nas vias expressas, em elevadores e nos prédios comerciais. Ao todo, trinta milhões de pessoas em oito Estados dos Estados Unidos e na província de Ontário foram atingidas pela falta de energia. Em Ontário, o blackout ficou restrito a região leste da província - desde Timmins, ao norte, ate Cornwall, ao leste e ao sul na direção de Sarnia. Windsor, Ottawa e Sudbury foram os únicos centros do leste que escaparam ao blackout. Contudo, três horas depois a força já estava restabelecida na maior parte da província. A cobertura feita pelos meios de comunicação focalizou, naturalmente, o aspecto humano do Blackout e, numa extensão menor, a dificuldade encontrada para determinar a causa da interrupção. Contudo, havia uma historia bem mais dramática. No momento do blackout alguns UFOs foram vistos nas proximidades de instalações Hidrelétricas estratégicas, a quantidade fora do comum de observações dignas de credito levou vários pesquisadores a considerar a possibilidade destas naves terem desempenhado um papel importante no colapso de energia. Entre os pesquisadores encontravam-se o falecido James E. McDonald, físico da Universidade do Arizona; o antigo diretor da NICAP, Major Donald E. Keyhoe; e o astrônomo Dr. J. Allen Hynek, o na época diretor do Centro de Estudos dos UFOs.

 

Investigação

Imediatamente apos o desarranjo, a Comissão Federal de Energia dos Estados Unidos e a Comissão de Energia hidrelétrica de Ontário deram inicio a uma investigação em larga escala a fim de localizar a causa. No inicio, foi comunicado que o problema originara-se de uma falha mecânica numa linha de alta voltagem entre Bufalo e Salto do Niagara. Segundo o Globe and Mail:

"O comunicado era falso. Em seguida, dizia-se que a causa da interrupção de energia teria sido um problema ocorrido na subestação perto de Siracusa, porem os homens da manutenção encontraram-na em perfeitas condições de funcionamento."

Finalmente, seis dias depois do blackout, os engenheiros da Ontário Hydro atribuíram o problema a colossal Estação Geradora N° 2 Sir Adam Bico, em Queenston, Ontário, ao norte de Salto do Niagara.

Ao que parece, exatamente antes do blackout, a forca estava fluindo da Sir Adam Bico N° 2 para Ontário, e dali passando para o Estado de Nova Iorque através da fronteira via Cornwall. Em termos gráficos, a força estavam fluindo no sentido horário formando um circuito completo em volta do Lago Ontário. As 17:16, um rele de retrocesso(*) numa das seis linhas que ligam a Sir Adam Bico ao resto da província disparou, misteriosamente, o disjuntor da linha, que age de forma bastante parecida com um fusível domestico. Numa rápida sucessão, a interrupção da energia elétrica passou para as outras cinco linhas, provocando uma sobrecarga que, do mesmo modo, disparou os disjuntores nessas linhas. Um verdadeiro macaréu de eletricidade — 1.1 milhões de kilowatts — fluiu em direção oposta para o Estado de Nova lorque.

Inexplicavelmente, os reles de retrocesso das linhas de Nova Iorque não conseguiram isolar e conter a sobrecarga. Dentro de segundos, toda a rede formada por trinta e uma instalações de força interligadas da CANUSE (Rede Canada-Estados Unidos Oriental) entrava em colapso.

Embora os peritos pudessem determinar com precisão a origem do blackout, estavam atarantados com a desativação do rele e o fracasso dos sistemas protetores para conter a sobrecarga. Segundo as palavras do engenheiro supervisor do sistema Ontário Hydro, Jim Harris: "E inacreditável! Eu teria declarado que isto era uma coisa impossível de acontecer se não tivesse visto a evidencia." O mistério tornou-se ainda maior quando foi descoberto que o rele, na verdade, não tinha entrado em pane, mas apenas reagira a uma súbita sobretensao de forca proveniente de uma fonte desconhecida. Segundo a declaração feita no ultimo relatório da Comissão Federal de Energia dos Estados Unidos: "A causa precisa da energização do rele de retrocesso é agora conhecida."(7) De onde veio a súbita sobretensao de forca? Ate o dia de hoje esta pergunta continua sem resposta.

 

OVNIs?

Ou será que tem uma resposta? Talvez uma resposta, ainda que inconclusiva, se encontre nas descobertas feitas pelo falecido Dr. James E. McDonald, que afirmava que os campos magnéticos que acompanhavam os UFOs eram capazes de provocar súbitas sobretensoes de forca nas linhas de transmissão enquanto a nave as sobrevoava. Teoricamente, estas sobretensoes de força poderiam provocar blackouts de proporções maciças.

A partir do "Grande Blackout", a teoria de McDonald conquistou um peso considerável diante da forte evidencia que confirmava uma atividade disseminada por parte do UFO naquela noite fatídica. O Syracuse Herald Journal recebeu uma verdadeira avalancha de telefonemas relatando mais de cem observações na região de Siracusa. Uma das primeiras ligações partiu do Diretor Substituto da Aviação em Siracusa, Robert C. Walsh, que sobrevoava a cidade no momento do blackout. Apesar da escuridão reinante, ele conseguiu aterrissar são e salvo no Aeroporto de Hancock. Quando estava parado junto a pista com alguns outros funcionários do aeroporto, percebeu, de repente, uma enorme bola de luz balançando-se no alto do céu.

"Parecia estar a cem pés de altura e ter cinquenta pés de diâmetro". Subiu durante vários segundos e depois desapareceu inesperadamente. Instantes depois, um perplexo Walsh e seus companheiros observaram um aparelho idêntico ascendendo sobre o campo de pouso, antes de se "apagar" misteriosamente, como tinha acontecido com seu predecessor. Diversamente dos conhecidos mergulhos dos relâmpagos redondos, estes aparelhos movimentavam-se para cima numa velocidade moderada — visivelmente controlados por alguma espécie de inteligência".

Ao mesmo tempo, a misteriosa nave também estava sendo observada mais adiante. O veterano instrutor de voo Weldon Ross e seu aluno, James Brooking, estavam-se aproximando do aeroporto as escuras quando avistaram um segundo objeto faiscante lá embaixo. A nave gigantesca, calculada em bem mais de cem pés de diâmetro, dava a impressão de estar posicionada exatamente sobre a subestação de Clay, uma instalação estratégica que canaliza a energia do Salto do Niagara para a Cidade de Nova Iorque. Tratava-se da mesma subestação onde as turmas de pesquisa da Hydro tinham, inicialmente, localizado a origem do blackout.

Os repórteres do Herald Jornal, numa incansável tentativa para estabelecer uma relação possível entre os UFOs e o blackout, conseguiram trazer à luz evidências ainda mais explosivas. O jornal, numa reportagem publicada na primeira pagina sete dias depois do blackout, estampava fotografias do misterioso aparelho vermelho tiradas por Mr. William Stillwell, sacristão da Igreja Episcopal de São Paulo. Descreveu o que tinha observado através de uma luneta de 117-força:

"O centro estava girando, dava voltas, voltas e mais voltas. Vinha do lado de DeWitt, flechou num angulo e depois voltou pelo mesmo caminho de onde tinha vindo."

O sacristão observou o objeto faiscante durante duas horas antes dele desaparecer. Enquanto as turmas de investigação continuavam a apurar a misteriosa causa da interrupção de energia, a cobertura feita pela imprensa a respeito e uma possível relação com UFOs ganhou impulso. Num editorial redigido vigorosamente, o Indianapolis Star insistia:

"A resposta é, positivamente, obvia — objetos voadores nao-identificados! Trata-se de um enfoque que a turma de pesquisa não deveria deixar de examinar."

A medida que outras noticias a respeito de outras observações vinham a tona, intensificou-se a possibilidade de uma relação com os UFOs. Na Cidade de Nova Iorque, vinte minutos apos se ter iniciado o blackout, testemunhas que se encontravam no Prédio da Time-Life avistaram um brilho estranho no céu sobre Manhattan às escuras. De acordo com o Major Donald Keyhoe:

O brilho parecia partir de um objeto redondo que pairava sobre a cidade. Isto sucedeu vinte minutos apos as luzes começarem a se apagar. Varias fotografias foram batidas por um fotografo da revista Time, uma das quais foi publicada no numero de 19 de novembro.

 

Acobertamento

Embora claramente visível na fotografia aqui reproduzida, os editores do Time não fizeram nenhuma referencia a nave de formato alongado na legenda da ilustração. Seria um descuido jornalístico ou uma omissão deliberada? A única alusão a uma atividade aérea fora do comum partiu de uma referência chistosa à um satélite russo:

"Alguns nova-iorquinos, declarando terem visto um satélite passando sobre a cidade no momento em que as luzes se apagaram, afirmaram que os russos tinham aprontado outra novamente."

Contudo, o investigador de UFOs e autor, o falecido Frank Edwards, discorda tanto da explicação relacionada com o UFO, como com a do satélite russo.

"A coisa alongada poderia ter sido um UFO — mas não o era com toda a certeza. Nada mais era do que um fantasma ótico, um resultado das reflexões entre os elementos de lentes mal ajustadas."

Conquanto contestasse a validade da foto publicada pelo Time, Edwards defendia resolutamente a afirmação de que os UFOs estavam envolvidos, de algum modo, no desencadear do blackout. Na verdade, enquanto realizava uma investigação particular a respeito da causa da falta de energia, descobriu que as autoridades militares americanas tinham tido pleno conhecimento da presença do UFO, pelo menos quarenta e cinco minutos antes do inicio da interrupção de forca.

Esta surpreendente revelação partiu de dois pilotos comerciais, Jerry Whitaker e George Croninger, que sobrevoavam Tidioute, na Pensilvania, quando avistaram dois "objetos brilhantes" com o formato de disco. Mais surpreendente ainda foi o fato de terem visto dois jatos militares perseguindo a misteriosa nave. Instantes mais tarde, um dos discos "desenvolveu uma velocidade terrível" e rapidamente distanciou-se dos seus perseguidores. Enquanto observavam o desaparecimento rápido do UFO, os pilotos assombrados perderam o outro objeto de vista, o qual, possivelmente, tinha sumido da mesma maneira.

A revelação mais espetacular sobre o UFO foi feita um dia antes da divulgação da explicação "oficial" quando, falando diante de uma audiência nacional, o comentarista da televisão NBC Frank McGee noticiou que um piloto particular tinha avistado "um objeto redondo e brilhante próximo a usina de força do Salto do Niagara".A Associated Press ouviu a história e vários jornais publicaram-na a seguir. Na manha seguinte, um artigo muito bem documentado apareceu no New York Journal American no qual o UFO era culpado pelo desastroso blackout. Contudo, qualquer outro enfoque dado pela imprensa sobre a ligação entre o UFO e o colapso de energia foi interrompido abruptamente com a divulgação da explicação do "rele quebrado". Apesar da evidencia sempre crescente, a Comissão Federal de Energia tinha presumivelmente preferido deixar de lado a possível ligação com o UFO.

Esta omissão foi, casualmente, confirmada pelo Dr. James E. McDonald, que, na qualidade de cientista respeitado, obteve permissão para entrevistar certos funcionários daquela Comissão.

"Eles confirmaram ter recebido os relatórios vindos de Siracusa e do Salto do Niagara, assim como da maioria dos outros incidentes que tiveram lugar naquela noite. Porem, não queriam discutir a possibilidade do UFO... Não importa no que eles acreditavam, acho que estavam convencidos de que os fatos não deveriam ser trazidos a publico e ai esta porque acataram a historia do "rele quebrado". De qualquer maneira, estava claro que eles queriam encobrir o fato".

Sob estas circunstancias, existe uma forte probabilidade de que as autoridades canadenses também estivessem envolvidas na dissimulação. Os investigadores da Comissão de força da Hidrelétrica de Ontário, tendo tomado conhecimento dos relatórios sobre UFOs, colaboraram com a Comissão Federal de Energia trocando informações que, eventualmente, conduziram a explicação do "rele quebrado". Ademais, esta explicação tinha sido, ao que tudo indica, pré-combinada e foi divulgada simultaneamente em ambos os países. A Ontário Hydro na sua declaração à imprensa negligenciou, do mesmo modo, a inclusão dos UFOs como uma possível causa do blackout.

Um ufólogo americano de grande projeção chegou ao ponto de apontar um dedo acusador contra o falecido Lester B. Pearson, então primeiro-ministro. O Major Donald E. Keyhoe sustenta que:

"A fim de desviar a atenção publica da explicação do UFO inventou-se a historia do "rele quebrado". Como isto poderia ser uma faceta negativa contra o Canadá, o premie (primeiro-ministro) deve ter sido convencido de que era melhor para os dois países não revelar a verdadeira situação".

Se este foi o caso, representa, então, uma das mais chocantes imposturas jamais perpetradas — deixando os chefes de trinta e uma companhias fornecedoras de serviços públicos e trinta milhões de pessoas andando as cegas no escuro de todas as maneiras.


Acima, os mortos no caso Máscaras de Chumbo

Fotografia obtida durante o Blackout, em Nova Iorque

Mapa representando as regiões afetadas pelo Blackout (em azul), nos Estados Unidos e Canadá

Fotografia obtida durante o Blackout, em Nova Iorque

Fotografia obtida durante o Blackout, em Nova Iorque.

Fotografia obtida durante o Blackout, em Nova Iorque.

Fotografia obtida durante o Blackout, em Nova Iorque.


Comentários (1)

Você está revendo: Caso O Grande Blackout
Sort
5/5 (1)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
daniel (sp) diz...
A história é boa, mas a foto não mostra um ovni. Reparem que foi feita com o diafragma da câmera aberto, permitindo maior exposição do filme à luz. Esse truque é usado para obter efeitos de \"riscos de luz\", por exemplo como a avenida retratada na foto. Significa que,se aquele objeto no céu estivesse em movimento, ele apareceria como um risco na foto, e não como uma mancha estática. É mais provável que seja uma estrela...
29 June 2016 13.24
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • BONDARCHUK, Yurko. UFO - Observações, Aterrissagens e Sequestros. Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. São Paulo: Ed. Difel, 1982.

 


- Boletins
  •  

 


- Artigos de Revistas
  • GRANCHI, Irene. Voltam os OVNIs: A grande onda ufológica internacional de 1985. Ufologia Nacional e Internacional, Campo Grande, nº 4, p. 24-25, set/out 1985.

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

- Outros
  •