Caso Barney e Betty Hill - Pesquisas Posteriores

O Caso Barney e Betty Hill é um divisor de águas para a Ufologia Mundial, pois representou uma mudança radical na característica dos contatos entre humanos e os tripulantes dos misteriosos OVNIs

Página 11 - O Vestido
Azul


Página 12 - As Controvérsias


Página 13 - Galeria
do Caso


Por Jackson Luiz Camargo - ufojack@yahoo.com

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

O Caso Barney e Betty Hill foi o primeiro caso de abdução divulgado a nível oficial. Embora outros tenham ocorrido e até mesmo sido investigado antes da ocorrência deste caso, este incidente é um divisor de águas na Ufologia Mundial. Devido ao seu caráter inédito, pelo menos àquela epoca, o caso sofreu pesadas críticas de diversos setores da sociedade, que sob os mais diversos pretextos, colocavam em dúvida a veracidade do caso e muitas vezes as comprovações à ele associados.

À primeira vista parece que nem mesmo os céticos se entendem em relação ao Caso, pois existem várias e várias explicações, ou tentativas de explicações de alguns detalhes do caso. No melhor modus operandi pseudo-científico, encontram uma explicação para alguns detalhes, ignoram o que não podem explicar e extrapolam isso para o caso inteiro e para os demais casos ufológicos. Stanton Friedman e Kahleen Marden resumem muito bem este método de ação em seu livro Captured!: The Betty and Barney Hill Ufo Experience [Ainda não publicado no Brasil]:

"O que o público não sabe, eu não vou dizer a eles".

"Não me incomode com os fatos pois minha mente já está feita".

"Se alguém não pode atacar os fatos, ignore e ataque a pessoa".

"Faça uma pesquisa geral. Uma investigação profunda é muito problemática e a maioria dos jornalistas e cientistas jamais vai perceber a diferença".

Em geral, críticas sobre OVNIs giram em torno da alegação de que não existem provas a favor para o fenômeno. Basta uma visita rápida à nossa seção comprovações, aqui no Portal Fenomenum, para perceber que o fenômeno é mais real do que eles pensam.

Em se tratando do Caso Hill, existem várias explicações levantadas pelos mais diferentes nomes do ceticismo internacional. Um dos primeiros a se manifestar em relação ao caso foi Phillip Klass, que em seu livro UFOs Identified, de 1966, afirma que o avistamento relatado pelo casal seria explicado como sendo um fenômeno natural, de natureza plasmática, gerada por raios bola. Esta hipótese, uma verdadeira afronta à inteligência de um ser racional pensante, desmorona quando levamos em conta as evidências físicas do contato [relógios danificados, doença da cadelinha Delsey, o ferimento nas costas de Barney e o conjunto de verrugas circulares na sua virilha, os vestígios no vestido, as marcas magnetizadas no veículo, etc]. Posteriormente, em seu livro UFO Abductions: A Dangerous Game, tenta consertar o estrago afirmando que o depoimento de Barney originou-se de fantasias geradas pelos sonhos de Betty, que por sua vez teria originado-se em leituras de jornais e revistas. Para apoiar sua tese ele afirma que em hipnose regressiva Barney demonstrava profundo terror por sua experiência enquanto Betty mostrava-se calma, como se estivesse descrevendo uma ida ao mercado. A bem da verdade, tanto Barney quanto Betty tiveram, durante a maior parte de sua experiência, momentos de pânico que, ocasionalmente, cediam lugar à calma e tranquilidade, em decorrência da influência dos tripulantes do aparelho. É um claro exemplo do: "O que o público não sabe, eu não vou dizer a eles."

Em debates públicos sobre o caso, Phillip Klass procurou desacreditar o caso com táticas nada convencionais e até certo ponto questionáveis. Em certa ocasião, em debate com o ufólogo PhD Stanton Friedman, Klass levou uma folha de papel, com vários pontos desenhados nela, com a alegação de queria fazer um experimento científico para por em dúvidas a qualidade do mapa desenhado per Betty. Stanton Friedman recusou imediatamente afirmando que não se tratava de um teste científico e sim uma manobra proposital para atacar o caso. Ele justificou alegando os seguintes pontos:

Stanton Friedman não é Betty Hill, portanto, caracteristicas como percepção, memória e estilo de aprendizagem são diferentes

Betty estava condicionada por um hipnoterapeuta, formado em psiquiatria e reconhecido internacionalmente, que a preparou para desenhar o mapa se, e somente se, lembrasse claramente dele.

Betty descreveu o mapa como sendo uma espécie de holograma tridimensional, com profundidade e colorido, ao passo que o desenho de Klass eram pontos desenhados aleatóriamente com lápis em uma folha de papel, sem linhas ligando os diferentes pontos, como eram verificados no mapa desenhado sob indução hipnótica.

Outro cético que atacou levianamente o Caso Hill foi o mágico James Randi, da CSICOP. Randi declarou:

"Parece evidente que a senhora Hill observou o planeta Jupiter, falou com seu marido para ele acreditar que era um OVNI, e depois imaginou que foi levada a bordo e feito esquecer suas experiências, que ela relembrou apenas depois de sonhar recorrentemente com o evento. Mas quando ela teve sua história aflorada, Betty Hill foi capaz de lembrar três anos após o evento, que ela tinha visto um mapa de navegação na sala de controle e o desenhou para a posterioridade. Este mapa é uma das várias afirmações que suportam o depoimento dos Hill".

Esta declaração soa como imprecisa, falsa e enganosa a respeito do caso Hill. Primeiro pelo fato de que o objeto deslocava-se de forma errática, tinha formato nítido, com luzes piscantes ao longo da fuselagem. Em dado momento, o objeto estava sobre o carro, embora a um altitude considerável. Além disso, na época, a Lua, Jupiter e Saturno estavam bem próximos numa mesma região celeste, sendo vistos, por volta das 23 horas no céu, a sudoeste, a aproximadamente 45° acima do horizonte. Além disso, nos dias seguintes eles estariam ainda perfeitamente visíveis no céu e certamente teriam se assustado pensando que o objeto os perseguia todas as noites...

Outro ponto a se considerar é porque apenas na mesma região, na divisia de Lincon e Concord, em New Hampshire, houve relatos de avistamento, com a mesma descrição básica. Porque na Califórnia não houveram avistamentos do mesmo tipo? Porque na França, Itália e Brasil não houveram também? A resposta óbvia é que o objeto relatado na região de Lincon/Concord não era um corpo celeste e sim o que era realmente declarado pelo casal.

Em outra declaração, Randi errou de forma ainda mais grotesca ao comentar o trabalho de Marjorie Fish:

"Ela como que reordenou o ponto de vista e retirou uma parte da constelação do Reticulum para facilitar a aceitação".

Esta frase demonstrou o quanto Randi se aprofundou no caso e no trabalho de Marjorie Fish. Vários cientistas analisaram repetidas vezes o trabalho de Fish e ressaltaram a precisão e o nível de detalhes nele incluído. Randi ignorou o fato de que Fish montou 25 modelos precisos, em 3D da nossa vizinhança galática. Alguns modelos com até 250 estrelas. O modelo final realmente tinha estrelas da constelação citada, mas tinha também estrelas de outras constelações próximas e foi exatamente isso que Fish reproduziu: aquilo que era mostrado no mapa que ela viu a bordo do aparelho.

Um grupo de psiquiatras, certa vez, alegou que o relato de Barney e Betty Hill era fruto de alucinação gerado por estresse induzido pelo fato de formarem um casal interracial, sofrendo, portanto, preconceitos diversos. Se buscarmos confirmar esta hipótese veremos que ela não se sustenta, pois Barney e Betty, eram sim vítimas de preconceitos, mas nada que afetasse a vida do casal. Barney era muito querido pela família de sua esposa, em seu trabalho e em sua comunidade, recebendo menções honrosas por seu trabalho social. O próprio Dr. Simon, durante sua fase de investigação, constatou que alucinação estaria no fim da fila de possíveis explicações. Além disso, simples questionamentes já colocam esta hipótese em cheque:

Porque outros casais raciais não revelaram experiências idênticas?

Porque na África do Sul, onde a segregação racial e o preconceito atingiram níveis que beiram o absurdo não aconteceram casos semelhantes?

Um dos maiores críticos do caso foi o cético Martin Kottmeyer, do The Committee for Skeptical Inquiry. Em um artigo, de 1990 e intitulado Entirely Unpredisposed, Kottmeyer sugere que a memória de Barney revelada sob hipnose, teriam sido influenciadas pelo episódio Bellero Shield, da série The Outer Limits, que foi apresentado duas semanas antes da primeira sessão hipnótica de Barney Hill. ele declara:

"Olhos oblíquos são uma raridade extrema em filmes de ficção científica. Conheço apenas um exemplo. Apareceu em um alienígena de um episódio de uma série de televisão antiga 'The Outer Limits, intitulado "The Shield Bellero". Uma pessoa familiarizada com o esboço de Barney em Uma Viagem Interrompida e o esboço feito em colaboração com o artista David Baker vai encontrar um frisson "dejavú", subindo a espinha nesse episódio. A semelhança é muito estimulada pela ausência de orelhas, cabelo, e o nariz em ambos os aliens. Poderia ser por acaso? Conside que Barney descreveu e desenhou primeiro os olhos oblíquos durante a sessão de hipnose datada de 22 de fevereiro de 1964. "The Shield Bellero" foi transmitido pela primeira vez em 10 de fevereiro de 1964. Apenas 12 dias separam as duas instâncias. Se a identificação for admitida, a generalidade dos olhos oblíquos na literatura de abdução se deve à forças culturais".

Olhando a primeira vista, parece fazer sentido a declaração de Kottemeyer. Mas fazendo uma comparação entre o desenho dos tripulantes e do alienígena representado em The Bellero Shield, a semelhança não é tão clara assim. Compare:

 


Representação de um dos tripulantes descritos no Caso Barney e Betty Hill.

Alienígena de The Bellero Shield

 

Mas ainda resta a velha pergunta que incomoda a quem tem medo da realidade: E as evidências e comprovações a favor do caso? Como fica? São perguntas para os quais Martin Kottmeyer não tem respostas. Aliás, Kottmeyer sequer conseguiu provar que Betty e principalmente Barney tenham visto o episódio. Na época em que o episódio foi ao ar, Barney trabalhava à noite, e quando não estava trabalhando, geralmente eles estavam envolvidos em atividades da NAACP.

Um ataque mais recente foi realizado pela psicóloga, PhD, Dra. Susan Clancy, da Universidade de Harvard. Em sua crítica em relação ao Caso Hill, ela ignorou detalhes importantes do caso. Jamais mencionou o mapa estelar ou qualquer outra evidência envolvendo o caso. Ou se refuta em todos os detalhes um caso, ou não se refuta nada. "Betty tinha visto uma estrela brilhante que parecia estar perseguindo-lhes. Nervosos, eles saíram da estrada principal e entraram em estradas secundárias da região, chegando em casa duas horas mais tarde do que o esperado", declarou Susan. Ela comete o mesmo erro do mágico Randi, afirmando que o objeto avistado era uma estrela. Ignorou os movimentos descritos pelo casal e pelas testemunhas adicionais, ignorou o registro de radar, obtido na ocasião, ignorou que o objeto foi observado de binóculos e as evidências adicionais.

Outras alegações da Dra. Susan envolvem filmes de ficção científica e livros sobre Ufologia que Betty havia lido antes da hipnose. Mas ainda assim ignora as evidências já mencionadas e o fato de que os depoimentos do casal são bem diferentes do que vemos no cinema ou literatura ufológica da época. Uma simples visita aos seus colegas cientistas que já haviam investigado o caso seria suficiente para que ela pudesse fazer uma pesquisa mais apurada e correta em relação ao caso.

Seja qual for a explicação utilizada, as hipóteses explicativas aceitas no meio cético deixam grandes lacunas. Detalhes importantes são muitas vezes ignorados em nome de uma aparente explicação final que nada explica. É importante saber reconhecer certos fatos, por mais impressionantes, desconcertantes e inexplicáveis que sejam. Como dizia Claude Bernard: A Ciência sempre deve se colocar em guarda contra a superstição e a credulidade, mas não devemos refutar os fatos, somente porque eles nos parecem extraordinários e inexplicáveis.

Conheça este caso mais detalhadamente acessando nosso menu abaixo:


 
Os Protagonistas
Quem são Barney e Betty Hill? Conheça um pouco de sua história.

Os Pesquisadores
Ao longo dos anos vários foram os pesquisadores que investigaram o caso. Conheça os principais.

A Abdução
Saiba como foi a experiência lembrada a nível consciente por Barney e Betty Hill.

Os Pesadelos de Betty Hill
Após o episódio de abdução Betty começou a ter vários sonhos vívidos e reveladores sobre sua experiência.

A Investigação
Diante de tantos mistérios envolvendo suas experiências, Barney e betty Hill iniciam suas próprias investigações.

As Hipnoses Regressivas
Barney e Betty finalmente se submetem à hipnose regressiva para vencer o bloqueio mental e seus efeitos.

Entrevista com Betty Hill
Betty Hill em entrevista para uma revista americana.

As Evidências
Conheça as evidências que confirmam a veracidade do caso Hill.

Os Abdutores
Quem são os tripulantes da nave que abduziu o casal? Conheça suas características.

O Mapa Estelar
Saiba como foi a investigação envolvendo o mapa estelar visto e desenhado por Betty Hill.

O Vestido Azul
O vestido que Betty usava quando foi abduzida é analisado e o resultado é supreendente.

As Controvérsias
O Caso Hill gerou controvérsia e debates acalorados entre céticos e ufólogos.

Galeria do Caso
Fotografias, imagens e desenhos referentes ao caso.



Comentários (3)

Você está revendo: Caso Barney e Betty Hill
Sort
5/5 (3)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Cláudio (Atibaia) diz...
Este é um dos maiores casos da Ufologia mundial. As estranhas luzes vermelhas nas "pontas" do objeto, foram relatados por um avistamento testemunhado pelo meu cunhado recentemente. Ele disse claramente que o objeto que ele avistou tinhas duas luzes vermelhas nas pontas. Muito intrigante.
13 July 2016 18.16
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
ana clara (balsas maranhao) diz...
ADOREI , SEMPRE VOU FAZER MINHAS PESQUISAS NESSE SITE , DEMAIS
8 July 2016 21.07
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Julio Cesar (São Paulo) diz...
Eu adoro o caso Varginha e o caso Barney e Betty Hill.o caso Hill é o caso Ufológico que eu mais gosto e vi o documentário sobre esse caso duas vezes e é o caso que eu conhece mais,posso até contar esse caso para alguém,pois sei de cór.parabéns,quem adora Ufologia não pode esquecer desse caso e voce é um desses que não esqueceu.te considero muito jackson.e fala pro seu aluno da aula de informática que agradeço muito a ele por passar o msn e o seu orkut(o Lucas). :D
6 July 2016 14.57
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • FRIEDMAN, Stanton e MARDEN, Katheleen. CAPTURED: The Betty and Barney Hill UFO Experience. New Jersei: New Page Books, 2007.
  • DURRANT, Henry. Primeiras investigações sobre os humanóides extraterrestres. Tradução de Luzia D. Mendonça. São Paulo: Ed. Hemus,1980.
  • MISTÉRIOS DO DESCONHECIDO. Contactos Alienígenas. Rio de janeiro: Time-Life Livros,1993.
  • MISTÉRIOS DO DESCONHECIDO. O Fenômeno OVNI. Rio de janeiro: Time-Life Livros,1993.
  • NOBILE, Peter. UFO, Triângulo das Bermudas e Atlântida - O que há de verdade. Tradução de Gilson Cesar Cardoso de Souza. Melhoramentos: 1979.
  • HYNEK, J. A. Ufologia, Uma Pesquisa Científica. Uma apreciação crítica do problema dos UFOs/OVNIs pela mais alta autoridade no assunto.Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. Rio de Janeiro: Editora Nórdica, 1972.

 


- Boletins
  • B23 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 26-27
  • B46 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 90-93
  • B63 - Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 1975
  • B64 - PEREIRA, Jader. Tipologia dos humanóides extraterrestres. Coleção Biblioteca UFO, nº 1, Março 1991.

 


- Artigos de Revistas
  • SBEDV. Contatos com extraterrestres no Brasil. Revista UFO, Campo Grande, nº 6, p.20-2, nov/dez 1988.
  • LAUDA, Jaime. O Caso Villas-Boas revisado. Ufologia Nacional e Internacional, Campo Grande, nº 3, p. 13-15, julho/agosto 1985.
     

 


- Documentos Oficiais

- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

- Outros
  •