Caso Barney e Betty Hill - As Hipnoses Regressivas

O Caso Barney e Betty Hill é um divisor de águas para a Ufologia Mundial, pois representou uma mudança radical na característica dos contatos entre humanos e os tripulantes dos misteriosos OVNIs.

Página 5 - A Investigação


Página 6 - As Hipnoses
Regressivas


Página 7 - Entrevista com
Betty Hill


Equipe CIPEX 

 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Em 14 de dezembro de 1963, na primeira consulta de Barney e Betty Hill com o Dr. Simon, este explicou o que era a hipnose, ressaltando que ela não era uma ferramenta mágica para recuperação de lembranças, nem passo indispensável para se obter a verdade, mas que se tratava de uma ferramenta útil no processo. Ele realizou uma demonstração inicial para o casal que interessou-se pela possibilidade de enfim recuperar as lembranças perdidas. As três semanas seguintes, o Dr. Simon realizou um procedimento de condicionamento com o casal, visando facilitar a entrada em estágios de transe profundo no futuro. Nenhum meio químico foi utilizado durante os procedimentos.

Nos meses seguintes foram realizadas as sessões de hipnose regressiva com foco na experiência de setembro de 1961. O Dr. Simon hipnotizou cada um separadamente, ordenando que esquecessem novamente o conteúdo recuperado sob hipnose. Essa técnica tinha dois objetivos. Primeiro servir como uma blindagem emocional para que o casal pudesse suportar o peso das informações recuperadas. Em segundo lugar, impedir que o casal trocasse informações sobre suas lembranças, possibilitando aferição às informações. Cada uma da sessões foi registrada em áudio para controle. Após concluída as sessões de hipnose regressiva, o Dr. Simon apresentou o conteúdo das fitas para o casal e permitiu que eles relembrassem os fatos ocorridos durante a abdução em setembro, reconstruindo a seqüência de eventos daquela noite.

Ao longo destas sessões, a própria visão do Dr. Simon, a respeito do caso, alterou-se em face das informações recuperadas. No início do tratamento, o psiquiatra testou continuamente sua hipótese de que Barney havia absorvido o conteúdo dos sonhos de Betty, tendo produzido novas fantasias para preencher aquele período de tempo perdido. Ele, de fato, usou sugestão e persuasão para tentar convencer o casal de que suas lembranças não eram necessariamente reais. Mesmo ao término da série de sessões, o casal permaneceu inabalável em suas lembranças.

A Hipnose em Barney Hill

Barney relatou sob hipnose detalhes da viagem de ida à Montreal e à Niagara Falls, e o começo da viagem de volta até proximidades de Lancaster, onde houve a primeira observação do estranho objeto voador. Pouco tempo depois do começo da observação, Barney começou a ficar preocupado com a presença do estranho objeto.

"Eu estou começando a me sentir alarmado e espero encontrar algum tráfego... algum carro... ou ver a Polícia Estadual chegando e dizer: "olhe aquilo... está nos seguindo". Mas ninguém se aproximou e eu me senti muito desconfortável".

Barney descreveu detalhadamente os movimentos realizados pelo objeto e a seqüência de paradas realizadas durante esta fase da experiência. Seis milhas ao sul de Cannon Mountain, Barney parou novamente seu veículo para observar o objeto, constatando que as árvores no local bloqueariam qualquer observação. Seguiu mais 13 milhas para o sul, chegando próximo à Indian Head. Esta região era familiar à Barney e oferecia um ótimo campo de visão. Barney inicialmente relata a presença da nave e solicita ao Dr. Simon permissão para acordar e sair do transe hipnótico. O psiquiatra nega autorização e pede que ele continue o relato assegurando que não haverá problemas em continuar. Barney então descreve, em tom nervoso:

"Ele está sobre a minha direita. Deus, o que é isso? Eu tento manter o controle, mas não posso dizer para Betty que eu estou assustado. Deus, eu estou assustado".

Novamente o Dr. Simon tenta aliviar a tensão de Barney assegurando-o de que recuperar estas memórias não será prejudicial à ele. Barney interrompeu o psiquiatra aos gritos, em um evidente descontrole emocional. Até este momento, Barney apresentava-se muito calmo, e preocupado apenas em encontrar algum lugar para passar a noite. Um lugar que não o rejeitasse por ele ser negro e que aceitasse receber também Delsey, a cadelinha de estimação do casal. Como não encontraram nada disponível seguiram viagem. Mais tarde, a preocupação de Barney, já durante a observação do OVNI, era estar em local movimentado, pois isso lhe dava sensação de segurança. Agora, em evidente descontrole emocional, Barney relatava a ultima fase do avistamento recordada pelo casal. O que viria a ser lembrado a seguir seria inteiramente novo para todos.

Esta ultima fase corresponde ao momento em que Barney aproxima-se do aparelho, observa os tripulantes através das janelas e assustado tenta fugir do local. Na sequencia vieram os estranhos bip-bips, a sensação de topor e um novo bip-bip.

Isto é ridículo! Oh, isso é grande" Oh meu Deus. Oh meu Deus. Eu posso vê-lo. Ele está ali. E tem luzes! Oh Jesus, Eu não acredito nisso! Eu não acredito nisso! Eu não acredito nisso! É grande e tem pessoas lá e eles estão olhando para mim. Oh meu Deus, ajude-me! se existe um Deus, ajude-me! Chegando perto, Eu estou chegando perto. Tem um homem lá encima e ele não vai me deixar ir embora!

"Oh! Oh! Isto é grande... 80 pés. Olhe para isso! Oh, olhe para isso... duas luzes vermelhas. Elas estão nos lados disso. Isso parece como uma panqueca... Isso parece... Eu não vou dizer isso. Eu não acredito que discos voadores são... [reais]. Eu não vou dizer isso. Eu nunca mais vou querer dizer isso de novo".

Barney, em seguida, descreveu como fugiu apressadamente para o carro e em seguida saindo pela rodovia para encontrar o objeto novamente pouco depois. Antes da hipnose, o casal lembrava-se de ter passado pelo o Clarks Trading Post e pouco depois ter começado os estranhos sons no veículo seguido de uma ligeira perda de consciência por parte dos dois protagonistas. Depois disso, suas lembranças eram meio vagas. Houve um novo bip-bip, alguns pontos de referência que foram lembrados pelo casal e após isso a consciência voltando ao normal. Betty procurou avistar novamente o OVNI que desta vez se afastava. Com a hipnose, eles perceberam que a experiência era muito mais profunda e assustadora do que esperavam.

Sob hipnose, ambos lembraram que após o primeiro bip-bip e a perda de consciência subseqüente, Barney saiu da rodovia 3 e entrou em uma estrada lateral até chegar à uma ponte ferroviária onde havia o que parecia ser um bloqueio na estrada. Num campo nas proximidades havia o que parecia ser uma lua cheia avermelhada, pousada no solo. Algumas pessoas sinalizavam para que parassem o veículo e descessem do carro. Tais seres, que tinham o aspecto baixo, porém forma humanóide (semelhante à humana), se aproximaram do carro do casal. Dr. Simon, inicialmente cético. Eles se dividiram em dois grupos e aproximaram-se do veículo do casal que ficaram assustados.

Barney descreveu que dois seres ajudaram-no a sair do carro. Ele sentiu dois olhos aproximaram-se dos seus e em seguida sua mente ficou em branco. Ele não conseguiu reagir e dois seres o ampararam para que não caísse. Eles foram escoltados para dentro do aparelho pousado no campo. Barney tentou reagir contra seus captores, mas parou em seguida devido à algum tipo de controle externo, ao qual não pôde resistir.

"Eu estou fora do carro e eu estou saindo da rodovia e entrando no bosque. Existe um brilho alaranjado. Existe alguma coisa lá... Oh! Oh! Se apenas eu tivesse minha arma. O que eles querem? Esses olhos malucos estão em mim. Eles estão comigo. Nós subimos a rampa. Meus pés apenas tocam e eu estou em um corredor. Eu não quero ir e não sei onde Betty está. Os olhos estão me dizendo para ficar calmo. Eu irei me acalmar. Eu irei me acalmar. Se eu não for prejudicado eu não irei atacá-los, mas se me prejudicarem de alguma forma eu atacarei. Estou entorpecido. Estou entorpecido. Eu não estou sentindo meus dedos. Minhas pernas estão entorpecidas.

Eles estavam do meu lado e eu tive um sentimento engraçado porque eu sabia que eles estavam me segurando, mas eu não conseguia senti-los. Senti-me flutuar... suspenso. Eu só percebi que eu não conseguia sentí-los quanto estávamos indo para cima em um plano inclinado e, em seguida, senti que eu não poderia sentí-los. Contudo, meus braços estavam apoiados. Meus cotovelos estava para fora e eu estava em movimento, mas eu não estava andando".

Barney foi levado à sala onde foi examinado pelos tripulantes do aparelho.

"Eu fui levado para uma sala e eu fui colocado em uma mesa e eu estava com medo, mas de alguma forma não o suficiente para correr. Eu achei que poderia acabar logo se eles não me fizerem mal. Parecia com uma mesa de operações... ou de exames médicos. Eu não sei. Eu apenas sei que ela me suporta inteiramente e que é muito limpa... nada elaborado... apenas que eu posso ficar nela, e meus pés ficam para fora, na parte inferior dela.

Eu sinto meus sapatos serem removidos e minhas calças serem abertas. E eu posso ouvir um ruído do que eles podem estar fazendo. Eles puxam minhas calças através das minhas pernas. Eu pude sentir eles me virando e inserindo algo no meu reto. Era um tubo. Não foi doloroso. Eu pensei que era apenas um pouco maior que um lápis. Eu sinto isso entrando com facilidade e também quando é retirado. Eles olharam minhas costas e pude senti-los tocando com os dedos meu corpo como se estivessem contando a minha coluna vertebral. Senti algo tocando-me na base da espinha, como um dedo pressionando. Um único dedo. Eu só podia ouvir isto: mum... mum... mum... mum, mum, mum. Depois fui virado novamente. Minha boca foi aberta e pude sentir dois dedos puxando para trás. Então eu pude ouvir o som de mais homens chegando e eu pude ouvir eles sussurrando entre eles do lado esquerdo da mesa onde eu estava e, alguma coisa ferindo meu braço, algo como uma vareta. E estes homens saíram e eu fiquei com os três homens... Os dois que me trouxeram e outro que parecia acompanhá-los. Eu posso dizer que havia mais de uma pessoa na sala. Mas um só homem parecia estar movimentando-se em torno do meu corpo o tempo todo".

Barney acrescentou ao longo das hipnoses que houve um exame em suas orelhas e que eles tinham um grande interesse em sua estrutura óssea. Em seguida houve um exame em seus órgãos genitais. Barney declarou que algum tipo de solução foi colocado sobre seu pênis e em seguida ele sentiu algo como um puxão, ou algum tipo de pressão, mas sem qualquer sensação de ereção ou ejaculação, ou mesmo de prazer associado ao processo. Embora não houvesse uma certeza da parte da Barney, ele acredita que nesse momento foram coletadas amostras de semem.

Os depoimentos de Barney e Betty Hill são absolutamente coincidentes, divergindo apenas na descrição do tratamento recebido por parte dos abdutores. Betty Hill teve um tratamento até certo ponto amigável e hospitaleiro por parte dos tripulantes, havendo inclusive conversação, enquanto que Barney, na maioria das vezes esteve subjugado, sendo apenas analisado biológicamente. Possivelmente esse tratamento se deve pela postura adotada por cada um nos momentos iniciais da abdução. Betty foi mais colaborativa, enquanto Barney procurou reagir à captura. Em função disso, em alguns momentos, Barney estava inconsciente e mesmo sob hipnose, não foi possível recuperar lembranças destes momentos.

A Hipnose em Betty Hill

A Hipnose em Betty ocorreu de maneira similar à de Barney. Ela relatou os eventos anteriores à abdução, de forma clara e objetiva. Ela descreveu, a partir do seu ponto de vista os momentos iniciais do avistamento, até o momento em que ouviu o estranho bip-bip, seguido pela sonolência e letargia, recordados naturalmente. Ela descreveu o momento em que Barney saiu do carro, penetrou na escuridão para observar o estranho objeto, o momento em que voltou, visivelmente apavorado e o momento em que o carro entrou na rodovia lateral até o local onde a abdução ocorreu.

"Eu estou pensando que estou dormindo e tenho que acordar. Eu tenho que acordar. Eu não quero dormir. Eu continuo tentando. Eu tenho que despertar. Eu não quero dormir. Eu tento e volto novamente. Eu continuo tentando. Eu fico tentando acordar".

Neste trecho da hipnose, Betty altera seu tom de voz:

"Então eu consigo! Eu abro os olhos e eu estou andando por entre as árvores. Apenas abri rapidamente os olhos e então fecheio-os novamente. Mesmo que eu esteja dormindo, nós estamos andando".

Na sequencia desta sessão, ela relata como foi escoltada por entre as árvores, até uma nave pousada no campo. Haviam dois homens a sua frente e um terceiro logo atrás dela. Em dado momento ela olha para trás e vê seu marido, Barney, ser amparado por doisdos tripulantes em direção ao objeto. Barney aparentemente estava inconsciênte, pois seus olhos estavam fechados. Nesse momento ela ficou irritada com o tratamento dado ao marido e tentou falar com ele, em vão:

"Barney, acorde!"

Um dos seres que vinha logo atrás exclamou em inglês:

"Oh - o nome dele é Barney?"

Betty, furiosa apenas falou:

"Isso não é da sua conta!"

Diante da reação de Betty ele falou para que ela não tinha motivos para ter medo, pois eles apenas queriam fazer alguns testes, e assim que eles terminassem o casal seria levado de volta ao veículo.

"Nós continuamos pela floresta... para a nave no solo. Era de metal, oval ou algo assim. Você sabe, não era brilhante. Era noite de muito luar. Não era tão claro quanto o dia, mas eu podia ver. Ele estava no solo... Havia uma rampa que descia. Era grande. Havia uma clareira na floresta com árvores ao redor... Eu pensei que iria fazer um inferno lá fora se pudesse. Eu não conseguia. Este homem estava ao meu lado. Tudo o que eu podia dizer era 'Barney! Barney!, Acorda!'."

Betty Hill também foi submetida à exames médicos a bordo da nave.

"Nós subimos a rampa e entramos e havia um corredor. E havia uma porta e havia uma luz lá dentro... e havia uma sala, e havia uma luz dentro desta sala. Era uma luz azulada. E eu queria que eles colocassem Barney e eu na mesma sala. Quando eu subia a rampa e entrei no corredor, Barney estava atrás de mim, e eu comecei a entrar na sala... e eu apenas comecei... e eles levaram Barney. Havia dois homens... os primeiros dois, e então, havia dois homens na minha frente e dois de cada lado da porta. O homem que estava ao meu lado mostrou-me a porta e eu passei, e ele veio atrás de mim e os outros homem ficaram com Barney.

Nós entramos nessa sala e alguns dos homens vieram junto com esse homem que falava em inglês pararam por um minuto. Eu não sei quem eles eram. Eu acho que eles eram tripulantes, mas apenas ficaram pouco tempo. O homem que falava inglês estava lá e outro homem aproximou-se e eu não o tinha visto antes. Eu acho que ele era um doutor. Existe um banco... branco... é branco? Eu não sei se é branco ou cromado. Existe um banco e eles me colocam no banco. Existe um pequeno suporte. Minha cabeça está apoiada no suporte.

Eu tinha um vestido azul e eles levantam a manga do meu vestido e eles olham para o meu braço aqui, e eles olham para o meu braço. eles viram me braço e olham para ele. Eles têm uma máquina. Eu não sei o que é. Eles trazem a máquina e colocam isso. Eu não que tipo de máquina é. É algo como um microscópio, apenas como um microscópio com lentes grandes. E puseram em... eu não sei. Eu tenho a idéia de que eles estavam obtendo fotografias da minha pele. E eles olharam através desta máquina aqui e aqui, e então eles falam. Eu não sei... eu não conseguia entender o que eles estavam dizendo. Então eles pegam algo como um abridor de cartas, mas não era. Eles rasparam meu braço aqui...Eles rasparam e viram algo parecido com pele... você sabe, como quando sua pele fica seca e escamosa, às vezes, com pequenos pedaços de pele? Eles colocaram algo como um pequeno pedaço de celofane plástico. Algo parecido. E eles colocaram o que saiu no plástico. O examinador abriu meus olhos e examinou-os com uma luz. E ele abriu minha boca e olhou minha garganta e meus dentes e ele olhou minhas orelhas. E depois ele colocou algo como um cotonete e colocou na minha orelha esquerda. Ele colocou isso em outro pedaço de material. O líder pega isso, enrola e coloca-o em uma gaveta. Ah, então ele sente meus cabelos e depois a parte detrás do meu pescoço. Eles tiram fios de cabelos, puxnado-os para fora e o entregam para o chefe que os envolve e coloca na primeira gaveta. Então, ele pega algo como que parecia uma tesoura. Eu não sei o que é e em seguida cortam um pedaço do meu cabelo aqui. Eles cortam um pedaço dele e o entregam a ele. E então ele sente meu pescoço e através dos meus ombros ao redor da minha clavícula. E então tiram os sapatos e eles olham para os meus pés e minhas mãos. Eles olham para minhas mãos e ele traz... Ah... a luz é muito brilhante e de alguma forma... eu não sei... meus olhos não estão abertos. Eu ainda estou um pouco assustada, demais. Eu não estou particularmente interessada em olhar para eles. Assim, eu tento manter meus olhos fechados e, em seguida, eu os abro... você sabe, não a toda hora. Fico um pouco aliviada ao não olhar para eles. Fechei os olhos e ele pega alguma coisa e passa por debaixo da minha unha. E então ele pega alguma coisa... eu não sei, provavlemtne uma tesoura de manicure, ou algo assim e ele corta um pedaço da minha unha. Eles olham para os meus pés todo. Eu não acho que eles significam qualquer coisa para eles. Eles apenas sentes os dedos dos pés e tudo mais".

Esta foi a primeira fase de testes à que Betty foi submetida. Aparentemente, esse teste inicial tinha por objetivo mapear as diferenças entre os sistemas nervosos de Barney e Betty. Finalizado essa etapa os abdutores pediram que Betty tirasse seu vestido. Antes mesmo que ela pudesse fazer isso, um dos tripulantes puxou o guia do zíper do vestido e o puxou para baixo da cintura. Nesse momento ela ficou apenas de sutiã e calcinha. O examinador ordenou que ela deitasse em uma mesa de exame. Ela deitou-se de costas e o examinador aproximou-se com um conjunto de agulhas. Em cada uma destas agulhas havia um dispositivo fino. Com estas agulhas, o examinador tocou ao longo da coluna vertebral de Betty, logo atrás das orelhas, em diversas áreas da sua cabeça, braços, pernas, abdômen e axilas. Esse exame era totalmente indolor. Em seguida, o examinador inseriu uma agulha no umbigo de Betty, num aparente exame de laparoscopia, técnica que não existia à época do caso. Durante o momento em que Betty revivia essa situação sob hipnose, ela demonstrou grande agitação. O Dr. Simon decidiu então encerrar a seção de hipnose e tirá-la do transe hipnótico.

"Era uma agulha longa. Eu poderia dizer que que a agulha tinha de 10 a 15 centímetros de comprimento, talvez mais. Havia um tubo anexado a ele que não o deixava muito longo".

Betty declarou, posteriormente, que a dor sentida era muito mais intensa do que a produzida pela inserção de uma agulha. Parecia como se ela fosse esfaqueada com uma faca. Betty relata, ainda que diante de tanta dor, o Líder, que se fazia presente o tempo todo, passou a mão em sua testa e a dor simplesmente sumiu.

Após as análises médicas, o examinador saiu da sala e ele ficou em companhia do Líder, com o qual conversou, em inglês. Este explicou à Betty que apenas alguns tipos de exames poderiam ser realizados pois havia apenas um único fisiologista a bordo. Betty pediu ao Líder alguma coisa que servisse de prova para seu relato. O Líder disse para que se ela olhasse em volta talvez encontrasse algo que pudesse levar. Ela encontrou um livro escrito com caracteres estranhos e o Líder consentiu que ela o levase consigo como prova de sua experiência. Pouco depois, Betty perguntou ao Líder de onde eles vinham:

"E assim eu disse que... Eu perguntei de onde ele era. Eu sabia que ele não era da Terra e eu queria sabe como ele chegou aqui? Ele me perguntou se eu sabia alguma coisa sobre o Universo e eu disse-lhe que não, que não sei praticamente nada, mas quando eu estava na escola fomos ensinados de que o Sol era o centro do Universo e que existiam nove planetas. E depois, mais tarde, claro, nós fizemos avanços...".

Após isso, o Líder atravessou a sala e puxou um mapa de uma abertura na parede e perguntou à Betty se ela já havia visto um mapa semelhante. Ela foi até o mapa e inclinou-se para observar melhor. Tratava-se um mapa alongado, com vários pontos, de tamanho variado, espalhados pela tela. Entre estes pontos haviam linhas retas e curvas unindo-os aqui e ali. Betty então perguntou onde estava seu lar. Em resposta o Líder perguntou à Betty onde estava seu lar no map. Betty riu e disse que não sabia. O Líder respondeu:

"Se você não sabe onde você está, então não há motivo para dizer de onde eu sou!".

Feito isso ele recolocou o mapa em sua posição original na parede. Em dado momento da conversa, o examinado e outros tripulantes do aparelho entraram na sala, em vívida excitação.

"De repente, há um barulho no corredor e alguns dos homens entram e com eles está o examinador, todos parecendo muito animados. Então pergunto ao Líder: 'Qual o problema? Aconteceu alguma coisa com Barney? O que é isso? É algo a ver com Barney?' O examinador abre minha boca e começa a verificar os meus dentes e fica puxando eles para fora. Eu lhes pergunto: 'O que estão tentando fazer?' E o examinador disse [Betty rindo muito]... Ele disse que não conseguia entender porque os dentes de Barney saem para fora e os meus não".

Betty, então, explicou que quando pessoas adquirem uma certa idade seus dentes são refeitos a partir de próteses e dentaduras, acrescentando que a dentadura de Barney fez-se necessária por ferimentos (adquiridos durante combates na Segunda Guerra Mundial). Ao falar sobre pessoas de idade avançada, Betty despertou a curiosidade dos tripulantes do objeto que a questinaram sobre o processo de envelhecimento e a contagem de tempo na Terra.

Líder: "O que é uma idade avançada?"

Betty: "Bom isso varia, mas quando uma pessoa se torna velha ocorrem mudanças, principalmente físicas".

Líder: "Bom, o que é a idade? O que se entende por idade?".

Betty: "É o período de vida que a pessoa vive."

Líder: "Quanto tempo é isso?"

Betty: "Eu acho que o espaço de tempo pode ser de 100 anos, mas pessoas podem morrer antes disso, a maioria de doenças ou acidentes, este tipo de coisa. Assim, eu acho que a idade está próximo de 65 ou 70 anos.

Então o Líder explicou para Betty que ele não compreendia a contagem de tempo, ou o processo de envelhecimento. Betty explicou que o processo tinha algo a ver com a rotação da Terra, a posição dos planetas e as estações do ano, mas que não poderia fazê-lo entender.

A volta para o carro

Após o exame físico do casal e da rápida conversação de Betty com o Líder, eles foram levados de volta ao veículo. Antes de Betty ser levada ao veículo, um dos tripulantes tomou o livro que ela tinha intenção de trazer como prova de sua experiência. Tal fato a deixou furiosa. Ela então foi informada que suas memórias seriam apagadas. Betty furiosa declarou:

"Você pode pegar o livro, mas você nunca, nunca, nunca pode me fazer esquecer isso, porque eu irei me lembrar disso mesmo que seja a ultima coisa que eu faça".

Em resposta, o líder riu e declarou:

"Talvez você lembre. Eu não sei. Eu espero que não, mas talvez você lembre. Mas não fará nenhum bem se você o fizer, porque Barney não quer. Barney não quer se lembrar de nada. E não é só isso, se ele lembrar de alguma coisa, ele vai lembrar de forma diferente de você, e tudo o que vocês declararam soará confuso e não saberão o que estará certo. Seria melhor esquecer isso".

Após as ultimas conversações, os tripulantes do objeto escoltaram o casal de volta para o carro. Barney foi levado antes, sendo escoltado por vários tripulantes, ao passo que Betty foi escoltada apenas pelo Líder. Barney foi levado semi inconsciente até o carro. Lembra-se de ter sido amparado por dois tripulantes, caminhado algum tmepo até o carro onde foi deixado. Pouco depois lembra-se de ter visto Betty aproximando-se do carro, em companhia do Líder.

Os tripulantes afastaram-se do veículo onde estava o casal e pouco depois observaram o aparelho decolando, emitindo intensa luz de cor alaranjada. Barney ligou o carro e dirigiu até a rodovia retomando a viagem e finalizando o período de amnésia recém restaurado.


Barney e Betty Hill se submeteram à hipnose regressiva com o Dr. Benjamin Simon

Retrato falado do Lider, feita sob hipnose por Betty

Desenho de Barney Hill, do interior do OVNI, segundo as lembranças recuperadas via hipnose

Desenho de Betty Hill representando estranhos caracteres observados por ela a bordo do objeto.

Mapa estelar de Betty Hill, desenhado sob hipnose
Conheça este caso mais detalhadamente acessando nosso menu abaixo:

 
Os Protagonistas
Quem são Barney e Betty Hill? Conheça um pouco de sua história.

Os Pesquisadores
Ao longo dos anos vários foram os pesquisadores que investigaram o caso. Conheça os principais.

A Abdução
Saiba como foi a experiência lembrada a nível consciente por Barney e Betty Hill.

Os Pesadelos de Betty Hill
Após o episódio de abdução Betty começou a ter vários sonhos vívidos e reveladores sobre sua experiência.

A Investigação
Diante de tantos mistérios envolvendo suas experiências, Barney e betty Hill iniciam suas próprias investigações.

As Hipnoses Regressivas
Barney e Betty finalmente se submetem à hipnose regressiva para vencer o bloqueio mental e seus efeitos.

Entrevista com Betty Hill
Betty Hill em entrevista para uma revista americana.

As Evidências
Conheça as evidências que confirmam a veracidade do caso Hill.

Os Abdutores
Quem são os tripulantes da nave que abduziu o casal? Conheça suas características.

O Mapa Estelar
Saiba como foi a investigação envolvendo o mapa estelar visto e desenhado por Betty Hill.

O Vestido Azul
O vestido que Betty usava quando foi abduzida é analisado e o resultado é supreendente.

As Controvérsias
O Caso Hill gerou controvérsia e debates acalorados entre céticos e ufólogos.

Galeria do Caso
Fotografias, imagens e desenhos referentes ao caso.



Comentários (3)

Você está revendo: Caso Barney e Betty Hill
Sort
5/5 (3)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Cláudio (Atibaia) diz...
Este é um dos maiores casos da Ufologia mundial. As estranhas luzes vermelhas nas "pontas" do objeto, foram relatados por um avistamento testemunhado pelo meu cunhado recentemente. Ele disse claramente que o objeto que ele avistou tinhas duas luzes vermelhas nas pontas. Muito intrigante.
13 July 2016 18.16
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
ana clara (balsas maranhao) diz...
ADOREI , SEMPRE VOU FAZER MINHAS PESQUISAS NESSE SITE , DEMAIS
8 July 2016 21.07
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Julio Cesar (São Paulo) diz...
Eu adoro o caso Varginha e o caso Barney e Betty Hill.o caso Hill é o caso Ufológico que eu mais gosto e vi o documentário sobre esse caso duas vezes e é o caso que eu conhece mais,posso até contar esse caso para alguém,pois sei de cór.parabéns,quem adora Ufologia não pode esquecer desse caso e voce é um desses que não esqueceu.te considero muito jackson.e fala pro seu aluno da aula de informática que agradeço muito a ele por passar o msn e o seu orkut(o Lucas). :D
6 July 2016 14.57
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • FRIEDMAN, Stanton e MARDEN, Katheleen. CAPTURED: The Betty and Barney Hill UFO Experience. New Jersei: New Page Books, 2007.
  • DURRANT, Henry. Primeiras investigações sobre os humanóides extraterrestres. Tradução de Luzia D. Mendonça. São Paulo: Ed. Hemus,1980.
  • MISTÉRIOS DO DESCONHECIDO. Contactos Alienígenas. Rio de janeiro: Time-Life Livros,1993.
  • MISTÉRIOS DO DESCONHECIDO. O Fenômeno OVNI. Rio de janeiro: Time-Life Livros,1993.
  • NOBILE, Peter. UFO, Triângulo das Bermudas e Atlântida - O que há de verdade. Tradução de Gilson Cesar Cardoso de Souza. Melhoramentos: 1979.
  • HYNEK, J. A. Ufologia, Uma Pesquisa Científica. Uma apreciação crítica do problema dos UFOs/OVNIs pela mais alta autoridade no assunto.Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. Rio de Janeiro: Editora Nórdica, 1972.

 


- Boletins
  • B23 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 26-27
  • B46 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 90-93
  • B63 - Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 1975
  • B64 - PEREIRA, Jader. Tipologia dos humanóides extraterrestres. Coleção Biblioteca UFO, nº 1, Março 1991.

 


- Artigos de Revistas
  • SBEDV. Contatos com extraterrestres no Brasil. Revista UFO, Campo Grande, nº 6, p.20-2, nov/dez 1988.
  • LAUDA, Jaime. O Caso Villas-Boas revisado. Ufologia Nacional e Internacional, Campo Grande, nº 3, p. 13-15, julho/agosto 1985.
     

 


- Documentos Oficiais

- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

- Outros
  •