Horror em Araçariguama

Impressionante caso em que o protagonista, João Prestes Filho foi atingido por uma luz vinda do céu, morrendo de forma horrível pouco depois.


Por Pablo Vilarrubia Mauso

 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Em 1946 - cerca de um ano antes do famoso incidente no Monte Rainer, nos EUA, que deu início à chamada era moderna dos OVNIs -, o brasileiro João Prestes Filho morria de forma violenta, com queimaduras Causadas por uma estranha luz.

A resposta para um dos mais desconcertantes e pavorosos casos na história da ufologia mundial começou a surgir num pequeno hotel de São Roque, a 47 km de São Paulo, onde o historiador e ufólogo Cláudio Tsuyoshi Suenaga e eu havíamos nos hospedado para investigar vários ataques de supostos chupa-cabras na região. Cláudio me falou sobre uma página de jornal de 12 de abril de 1997, que ele havia encontrado num banheiro. O texto dizia: "Faleceu em 6 de abril, em sua residência nesta cidade, o estimado Sr. Roque Prestes..... com 91 anos de idade..... era irmão de João Prestes  (falecido).....".

Para nosso espanto, tínhamos encontrado a pista dos parentes de João Prestes Filho, o homem que, em 4 de março de 1946, morreu de uma forma desumana: depois de ser atacado por uma estranha luz, suas carnes começaram a se separar dos ossos - especialmente da mandíbula, peito, mãos, dedos, pernas e pés até consumir sua Vida em poucas horas. Alguns pedaços de came ficaram pendurados nos tendões, para espanto das testemunhas e impotência da vítima.

No dia seguinte falamos com o filho do falecido por telefone e logo estávamos na casa do sexagenário Luís Prestes, na periferia de São Roque, ainda de Iuto pela morte de seu pai. "Ate pouco tempo antes de morrer", nos disse Luís Prestes, " meu pai recordava o fim trágico de seu irmão, em 1946. Eu era pequeno, tinha uns nove anos, mas me lembro perfeitamente do que aconteceu com meu tio João. Era semana de carnaval, e João, que odiava a festa, decidiu ir pescar. Naquela época, ele vivia em Araçariguama, um povoado a cerca de sete quilômetros de São Roque, um lugar muito isolado e tranquilo. Minha tia foi brincar no carnaval com os filhos. Eu estava em Araçariguama quando me disseram que meu tio estava morrendo na casa de um parente. Quis entrar, mas não me deixaram porque era muito pequeno e poderia me impressionar com o seu estado físico. Segundo ele contou a meu pai, quando voltou para casa da pescaria, abriu a janela e algo como um fogo, ou uma ‘tocha de fogo', entrou no quarto onde ele estava. Ele caiu no chão e sentiu que o corpo estava ardendo. Enrolou-se numa manta e caminhou mais de dois quilômetros até a Vila. Meu pai dizia que João estava queimado apenas da cintura pra cima, com exceção dos cabelos. Eu cheguei a ver meu tio quando o tiraram da casa para leva-lo à Santana do Parnaíba, onde havia um hospital. João morreu antes de chegar ao hospital".

Eu disse a Luís que em vários livros publicados em inglês, japonês e ate em russo se diz que João Prestes morreu de uma forma terrível, com pedaços desprendendo de seu corpo, e perguntei-lhe se isso estava correto. "Não", ele respondeu, " Sua aparência, Segundo meu pai, era real mente ruim, mas não chegava a tanto. Apresentava queimaduras graves pelo corpo, mas não tinha qualquer lesão corporal. Meu pai, que era subdelegado de policia de Santana do Parnaíba, pediu a colaboração da policia científica para pesquisar o caso, mas não sei coisa alguma dos resultados. O certo e que na casa de João nada foi queimado, e ele também não tinha inimigos ou alguém que pudesse ter feito aquilo. Ainda moribundo, repetiu várias vezes que tinha sido agredido por uma luz, e que ela era uma coisa de ‘outro mundo".

Uma Região Conturbada

Luís Prestes também nos falou de outros acontecimentos na região, aumentando nosso assombro. "Naqueles tempos, em Araçariguama e na região", ele continuou, "viam-se constantemente umas ‘bolas de fogo' que as pessoas diziam ser assombrações. Alguns acreditavam que vinham da mina de ouro, que hoje está fechada. E aconteciam outras coisas estranhas. Meu pai me dizia que em 1922 ele pôde ver, em companhia de meu avô e um dos mens tios, um lobisomem. Meu tio jogou uma pedra nele, acertando em sua mão. No dia seguinte, um vizinho apareceu com a mão enfaixada. Outras pessoas contavam casos parecidos".

Com tudo isso, começou a se formar em nossas mentes a ideia de que Araçariguama e a região de São Roque poderia ser uma espécie de janela fantástica, uma zona por onde emergia uma quantidade e variedade surpreendente de fenômenos anômalos. A teoria parecia estar de acordo com os dados subsequentes fornecidos por nosso informante. "Com meu tio Emiliano Prestes, irmão de João" , prosseguiu Luís, "também aconteceu algo de arrepiar os cabelos. Alguns meses após a trágica morte de seu irmão, ele estava caminhando por um bosque de Araçariguama, em Agua Podre - o mesmo local onde surgiu o lobisomem em 1922 -, quando viu uma tocha de fogo no ar. Apavorado, Emiliano encostou-se a um barranco quando a coisa veio para cima dele, e a única coisa que pôde fazer foi se ajoelhar e rezar por sua Vida. Ele nos disse que sentiu um calor intenso, mas por sorte a tocha se afastou e desapareceu" . Essas bolas de fogo eram comuns na região, assustando as pessoas que se aventuravam pelas estradas à noite.

 

Outras Aparições

Luís Prestes ainda nos forneceu uma informação importante: a existência de Vergílio Francisco Alves, possivelmente a última testemunha viva das ultimas horas de Vida de João. Nós o encontramos numa casa próxima, ainda trabalhando, aos 92 anos, com excelente saúde.

Ele nos contou que era primo em segundo grau de João Prestes e, ao narrar o que aconteceu com João, praticamente repetiu a história de Luís. Depois de ter sido queimado pela estranha luz, correu mais de 2 km até a casa de sua irmã Maria, próxima à igreja de Araçariguama. Quando o delegado de polícia João Malaquias foi  chamado para ver o seu estado, João lhe disse que não deveria  culpar ninguém pelo que Ihe havia ocorrido, pois o que o havia atacado não era coisa desse mundo. Vergílio também confirmou a Cláudio que sua pele estava muito queimada, porém apenas da cintura para cima, mas que apesar disso a pele não se desprendido corpo. ‘‘Creio que foi coisa do boitatá', ele comentou, "porque ele já havia atacado João anteriormente". Estupefatos diante da nova informação, Cláudio e eu pedimos quase em uníssono que ele falasse sobre isso.

"Quando João era tropeiro, ainda muito jovem, vivia com o pai em Araçariguama", ele começou. "Um certo dia, ao entardecer, quando conduzia burros por uma colina, viu um fogo que caiu do céu, uma ‘bola de fogo'. Estava próximo de uma capela onde havia uma cruz, e sentiu a bola passando ao seu lado e quase o acertando. João me contava que ali, às vezes, se viam dez ou doze bolas que surgiam no céu; algumas eram avermelhadas, outras da cor da Lua. As vezes, cinco ou seis caíam ao solo e explodiam. As pessoas chamavam essas luzes de boitatá" .

O próprio Vergílio foi testemunha da aparição de uma de tais luzes, que surgiu por trás da montanha onde estavam as minas de ouro e caiu em outra colina, onde também sempre aparecem luzes raras. "Também chamávamos de mãe do ouro a essas bolas de fogo. Também havia o lagarto de ouro, um fogo alongado que se movia em linha reta, devagar, sem fazer ruído" .

 

Rumo a Araçariguama

Segundo um informe publicado nos anos 60 pelo já falecido ufólogo Walter Buller a policia fechou a casa de João e logo depois ela foi derrubada, pois, aparentemente, seus familiares não tinham coragem de voltar ao Iugar, talvez achando que fosse uma casa amaldiçoada. Seguimos para Araçariguama, onde fomos recebidos por Fabiana Matias de Oliveira, que nos levou até seu tio, Hermes da Fonseca, de quase 70 anos, conhecedor profundo da história e das pessoas da região. Ele afirmou que tinha conhecido João Prestes e se lembrava perfeitamente do dia de sua morte. "Não cheguei a ver o corpo queimado", ele explicou. "Mais tarde a imprensa publicou que seu corpo havia se derretido, caído em pedaços. Aqui sempre tem acontecido coisas extraordinárias. um ano após a morte de João, seu irmão Emiliano Prestes viu duas ‘bolas de fogo', próximo ao cemitério. Elas subiam, se chocavam e voltavam a subir, repetindo a mesma ação. De repente, as luzes começaram a rodeá-lo, e ele sentiu um calor intenso, ajoelhando-se e rezando ate que elas se foram. Ainda hoje em dia, mas com menor intensidade, se veem essas Iuzes aqui perto, em Ibaté, entre Araçariguama e São Roque. Quando se encontram, soltam faíscas, mas não se desfazem. Giomar Gouveia, campeão de hipismo e dono de uns estábulos em Ibaté, viu um ‘raio de luz laranja' sobre seus animais. Isso aconteceu em 1995".

Entusiasmado por nosso interesse, Hermes continuou lembrando-se de outros acontecimentos. "Em 1960, um motorista de ônibus chamado Celso Gomide vinha de São Roque quando viu uma ‘luz vermelha' que o fez parar o veiculo.  A luz se aproximou da cabine, e Gomide, assustado, pôs-se a rezar. Os passageiros ficaram perplexos diante da Iuz insólita que os rodeou por mais de vinte minutos".

"Em 1955 eu trabalhava na construção de um teleférico da fábrica de cimento Santa Rita, para transportar as pedras. Era o dia 24 de agosto, e fazia um calor insuportável, quando eu e outros trabalhadores vimos um objeto grande como um caminhão que flutuava no céu, da cor do ‘alumínio'. Ele dava voltas e desprendia fumo, deixando círculos de fumaça esbranquiçada. Nós o vimos às 11h15, e às 12h chegaram cinco ou seis aviões da FAB; eram menores que a roda voadora e, em poucos segundos, ela se foi com rapidez, deixando para trás os aviões militares. No  dia seguinte, o jornal Folha de São Paulo publicou um artigoondes comentava que milhares 'de pessoas haviam visto um disco voador com as mesmas características em Osasco, próximo de Araçariguama".

A menos de 1km do povoado se encontra o cemitério onde achamos o coveiro Nelson Oliveira, de 53 anos. Ele nos levou até a tumba onde estão os restos mortais de João Prestes. Sobre a caixa de cimento recoberta por terra sobrava apenas uma cruz tosca e um número de identificação. Aproveitamos para perguntar a Nelson se havia visto algo de extraordinário na região.

"Em 1989 vi algo estranho", ele relembrou," uma ‘coisa redonda' voando sobre o cemitério. Era como um chapéu, mas ao contrário. Parecia ser todo de ‘alumínio' e cintilava de vez em quando ao se mover em linha reta, devagar, mas se balançando. la na direção de São Paulo".

Conforme o ufólogo Antonio Ribera me declarou numa entrevista em Barcelona, João Prestes pode ter sido queimado pelo sistema de propulsão de uma nave extraterrestre. "não creio que os alienígenas quisessem mata-lo", explicou Ribera. "Simplesmente, não sabiam o que podia acontecer ao se aproximarem demasiadamente de seres humanos".

Sobrou-nos tempo para que pudéssemos refletir sobre a temível morte de João Prestes Filho. Perguntei a Cláudio o que ele pensava que era a luz que o matou. "Talvez um relâmpago globular ou esférico", ele respondeu. Eu insisti, perguntando sobre as outras luzes e as criaturas da região. Ele ficou calado, encolheu os ombros e lançou um ultimo olhar para a torre da igreja do povoado.


A cidade de Araçariguama, destacado em vermelho no mapa de São Paulo

Representação do momento em que João Prestes é atingido pela luz misteriosa

Representação do momento em que João Prestes é atingido pela luz misteriosa

Vergílio Francisco Alves, testemunha dos evenntos de 1946

 Sr. Hermes da Fonseca


Comentários (2)

Você está revendo: Horror em Araçariguama
Sort
5/5 (2)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Cliver Camilo Rey (Porto Alegre, Brazil) diz...
Este relato é muito interessante ! parabéns pelas matérias publicas e seriedade do site.
13 February 2017 17.01
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
William diz...
Caso bastante interessante. Se eu não me engano, fizeram até histórias de Cordel sobre esse caso na feira cultural.
21 December 2016 18.33
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 

Referências:

- Livros
  • BULHER, Walter e PEREIRA, Guilherme. O Livro Branco dos Discos Voadores. Petrópolis: Ed. Vozes, 1983.

 


- Boletins

 


- Artigos de Revistas
  • MAUSO, Pablo Vilarrubia. O Incrivel Caso do Homem que Derreteu. Revista Sexto Sentido. São Paulo, Ano 3, nº 28, 2002.

 


- Documentos Oficiais

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

 


- Outros