Chupacabras - Casos na Argentina

Diferentes de outros países sul-americanos, os casos de Chupacabras se confundem com as misteriosas mutilaçoes de gado associadas ao fenômeno UFO.

Página 21 - Casos de Chupacabras no Chile


Página 22 - Casos de Chupacabras na Argentina


Página 23 - Casos de Chupacabras no Paraguai


Por Jackson Luiz Camargo

Sumário:

 

 

Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Artigo

Em 7 de setembro de 1967, a égua Lady Snippy foi encontrada morta e mutilada em uma fazenda no estado do Colorado, Estados Unidos. O animal encontrava-se descarnado, do pescoço para cima. A área de corte estava cauterizada. Foi constatado radiação no corpo e um aparente local de pouso de um UFO nas proximidades. Depois do caso Lady Snippy, milhares de outros casos foram registrados em vários países ao redor do mundo. Os Estados Unidos continuam sendo como o país com maior número de ocorrências desta natureza. A Argentina vem em segundo lugar, registrando um alto índice de morte de animais associadas ao fenômeno UFO. Por conta disso, muitos casos de ataques de Chupacabras, ocorridos no país, podem ter sido confundidos com o fenômeno de mutilação de gado que afeta o país há décadas.

Pesquisando nos portais jornalísticos do país, é difícil encontrar referências de casos ocorridos na década de 1990. As primeiras referências de casos surgem no ano 2000 e periodicamente vão ocorrendo novos casos até 2019. Os ataques de Chupacabras teriam ocorrido com maior intensidade na região do vale do Chalchaqu, na província de Santa Fé.

Segundo os arquivos jornalísticos disponíveis na Internet, um fato interessante ocorreu na região de Concepción del Bermejo, próximo à San Pablo, no Chaco. De acordo com o jornal Diario Norte, de 23 de junho de 2000, dezessete pessoas que participavam de uma reunião familiar confrontaram aquilo que definiram como um lobisomem que atacou o pequeno cão de estimação da família. Era uma criatura peluda, com pêlos escuros, dentes salientes, bípede, com pernas curvadas. Para defender o animalzinho de estimação, os familiares armaram-se de pedras foices e enxadas, cercaram e atacaram o estranho predador, que caiu desacordado. Eles levaram o estranho animal e o prenderam em uma árvore. Ao se afastar momentaneamente da criatura, se levantou com facilidade, desvencilhou-se da corda e desapareceu em meio a vegetação local. A polícia da cidade foi acionada e iniciou uma investigação sob as ordens do subcomissário De La Cruz. Foram encontrados pêlos e sangue do animal atacante que foram colhidos para análise. Aparentemente não houve divulgação dos resultados desses exames.

O caso poderia ter sido imediatamente esquecido, não fosse o fato de que novos avistamentos da estranha criatura ocorreram em Sáenz Peña, situada a 50 km de Concepción del Bermejo.

Entre as várias testemunhas estava Francisco, que dirigia com seu automóvel pela rua Belgrano. Em dado momento, ele cruzou com um estranho animal, de grande tamanho e pelagem escura. Assustado, retornou pelo caminho do qual estava vindo.

No dia seguinte, rádios da cidade divulgaram vários relatos de moradores que avistaram a estranha criatura. Algumas testemunhas estavam no Club Action e viram a passagem da criatura. Outra testemunha, o vigilante Alejandro Soto, entrava em um posto para abastecer sua motocicleta. O funcionário do posto saiu correndo ao ver a criatura, justamente no momento em que ele parou a motocicleta. O vigilante não viu o animal, mas ouviu um uivo muito alto. Assustado, ele tentou ligar a motocicleta que não dava partida.

Um radialista, morador do bairro Santa Teresita, ouviu seus cães latindo muito durante a noite. Ele resolveu sair e ouviu grunhidos diferentes. "Como não podemos ter medo, se ele era um cachorro enorme como um bezerro, com orelhas grandes e gritava como pessoa", questionou Martín Caballero, que estava em uma bicicleta, voltando para casa e também viu o misterioso animal.

"Ele era um como um inseto cabeludo, com orelhas compridas, e estava correndo muito... eu o vi! E ele estava gritando como se alguém o estivesse matando...", disse Ramón Arroyo, um carteiro que, naquela hora da manhã, encerrava seu turno.

Como em outros países, as autoridades argentinas logo entraram em ação, para encerrar o assunto, acalmando a população e emitindo explicações simplórias. O diretor do zoológico da cidade, Jorge García, declarou que o animal era um Aguará-guazú (lobo-guará), que teria sido capturado mais tarde entre as ruas 17 e 2, e que teria saído de seu habitat natural devido às condições climáticas. Porém, ele não explicou a discrepância entre o tamanho real de um lobo-guará e o animal que foi avistado, que era muito maior, do porte de um bezerro.

Em 2002, vários casos de mortes de animais, ocorridas em um curto espaço de tempo, surpreendeu a Argentina. Em fins de março, a região de Tonco, norte da Argentina, foi palco de inúmeros avistamentos de UFOs e relatos da passagem do Chupacabras. "A presença da criatura mítica nesta área rural pertencente ao município de Payogasta está ligada a uma onda de recentes avistamentos de OVNIs", declarou o comissário de polícia Juan Carlos Chavez.

Três pessoas da região viram uma estranha criatura, descrita por eles como tendo cerca de 1,7 metros de altura, olhos vermelhos, dentes afiados, longas extremidades superiores terminando com garras longas e afiadas e um corpo totalmente coberto de pelos.

"Eu estava voltando para minha casa e pastoreando, junto com os cães, meu gado. Estava escurecendo e naquele momento algo alertou os animais que começaram a correr. E quando olhei de um lado para o outro para ver o que aconteceu, eu vi. Ele era um ser muito estranho. Meia pessoa, meio animal. Tinha um tamanho de 1, 70 metros. Eu estava muito perto Ele olhou para mim três vezes e se apressou e depois, dando grandes saltos com seus dois membros traseiros poderosos, se perdeu à distância", disse Maria Rufino Cayo, uma agricultora de 73 anos.

As outras duas testemunhas oculares, Santos Jaimes (30) e Ruben Colque (34), disseram que também se encontraram frente a frente com a criatura. "Ficamos paralisados ​​de medo e pânico. Era um ser horrível. Seus pés tinham algum tipo de casco, mas com um carneiro atrás deles. Estamos em alerta", disseram eles.

Dias depois, ocorreu uma onda de ataques e mutilações de animais. Os ataques se deram principalmente na região de La Pampa onde, em 15 de maio, vários animais foram encontrados mortos. Ocorreram 37 casos em um mês, sendo 8 em General Acha, 5 em Cuchillo Có, 4 em Jacinto Aráuz, 1 em Quehué, 1 em Macachin, 2 em Santa Rosa-Toay e 16 em La Adela, pertencentes ao produtor, Albino Mences.

O caso de Machachin foi impressionante. O vaca atacada apresentava cortes cirúrgicos, com cauterização. Olhos, uma orelha, músculos da mandíbula, língua, esôfago, traquéia, úbere e órgãos genitais foram removidos de forma precisa e limpa. Além disso, o corpo estava aparentemente cozido.

Três especialistas da Faculdade de Ciências Veterinárias da Universidade Nacional de La Pampa, General Pico, realizaram a autópsia no corpo de uma vaca morta em circunstâncias semelhantes.

"Estamos à procura de um modelo lógico, um padrão comum", explicou Jorge Dubarri, coordenador do Laboratório Regional da Senasa, que junto aos especialistas Abel Herrera e Alberto Pariani, foram ao campo de Colonia Lagos, para colher amostras e verificar dados envolvendo estas estranhas mortes.

Outros veterinários que analisaram animais mutilados são Juan Manuel Ostertag e Raúl Noceda, ambos do General Acha, e José Cassavilliani, de La Adela. Todos eles concordam que "os casos mostram semelhanças notáveis, como os animais que aparecem com a cabeça queimada, sem vestígios de sangue, e todos os órgãos sensoriais desapareceram". Além disso, as vacas não oferecem resistência a ataques. Não há vestígios ou sinais de luta ou desordem ao redor do animal.

Naquele período, nas áreas de ataque, houveram vários avistamentos de objetos luminosos, algo muito comum em casos deste tipo. Em Toay, por exemplo, várias pessoas observaram um objeto intensamente luminoso. No local onde o objeto foi observado, duas vacas, de propriedade de Stock Cappella, foram mortas e mutiladas.

Desconcertados diante do mistério, o governo argentino colocou em ação um plano para desmistificar tais casos. Especialistas em vida animal e silvestre, do Serviço Nacional de Saúde Animal (SENASA) e da Universidade Nacional do Centro (Unacen) declararam, em coletiva de imprensa, que as mutilações eram obra do rato de focinho amarelo, que é carnívoro e atacaria os animais mortos. Os especialistas do governo alegaram que os animais morreram por doença epidemiológica e o rato, do gênero Oxymycterus atacou os animais mortos. Além dos ratos, raposas e outros carniceiros também teriam atacado as carcaças. Eles alegaram ter filmado ratos dentro dos animais mortos. O presidente da SENASA, Bernado Cané, negou que os cortes fossem feitos com bisturi e houvesse cauterização.

Néstor Auza, reitor da UNACEN, declarou que verificou-se que as lesões foram causadas por predadores e não pela ação de uma faca ou bisturi, de modo que nenhum sistema de aquecimento foi usado ou cauterização. Auza disse que detectou "roedores dentro e ao redor dos corpos na hora de ingerir os tecidos", que os pegaram e os alimentaram com animais mortos, conseguindo provar que tinham "uma voracidade especial pelos órgãos".

As declarações dos especialistas do governo mostraram-se imprecisas, contraditórias ou equivocadas. O rato citado como autor das lesões é reconhecidamente vegetariano, sem provas de que realmente se alimentem de carnes de animais mortos. Além disso, animais que alimentam-se de carcaças mordem e rasgam a pele e a carne do animal do qual se alimenta. Nos casos registrados de mutilação de gado associado à UFOs isso ocorre de forma reta, limpa, precisa e uniforme. E esta era a característica observada nestes casos de mutilação de gado.

E de acordo com um relatório preparado pela Diretoria de Recursos Naturales e pelo Colégio de Veterinários de Río Negro, os animais não morreram por pneumonia, conforme alega a SENASA, e sim por septicemia gerada por operações de castração, que resultou em sua morte. Ou seja, os animais morreram devido à própria mutilação ocorrida em suas áreas genitais.

"Dois bovinos encontrados na cidade de Guardia Mitre foram analisados ​​e em ambos foi verificado que a causa da morte foi septicemia, ou seja, uma infecção generalizada devido a uma operação de castração", afirmou Santos. Ambosetto, chefe do Departamento de Recursos Naturais.

Em General Alvear, um criador de gado encontrou uma de suas vacas mortas. Os músculos da mandíbula foram removidos, assim como o olho do lado direito. Os tecidos foram extraídos de forma precisa e limpa, com características cirúrgica. O osso estava limpo e a língua também foi removida. Não foi constatado vestígios de sangue.

Outro caso ocorreu na região de Bella Vista, Corrientes. Uma vaca foi encontrada mutilada em um campo, em Los Azahares. "Ela também tinha dois buracos, um no tórax e outro no ânus, sem que o restante do couro fosse ferido ou ferido e não havia restos de sangue por perto", disseram fontes policiais. O exame realizado pelos especialistas revelou que os dois rins, intestinos e músculos dos membros inferiores também foram removidos. Os restos mortais do animal foram estudados por pessoal especializado da Seção Cuatrerismo da Unidade Regional de Polícia Sete, com a participação de veterinários do INTA e SENASA. O caso tornou-se ainda mais estranho pelo fato de que a vaca mutilada teve cria algumas semanas antes e nenhum vestígio do bezerro foi encontrado.

Os casos de mutilação de gado continuaram ocorrendo, junto com a observação de UFOs sobre os locais de ataque. Em junho, se contabilizada 80 casos desta natureza e além dos bovinos, também foram vitimadas algumas ovelhas. Em Coronel Pringles, a 120 km de Bahía Blanca, na propriedade de Juan Carlos Ibarguren, uma ovelha prenha apareceu morta e mutilada. Ela tinha um corte na mandíbula. Além disso, olhos e língua foram retirados.
Houveram mortes também em Córdoba, Entre Ríos e Darragueira. Nesta última, ocorreu um caso ainda mais impressionante. Guilhermo García, responsável por um campo em Susana Torre, em Puán, encontrou uma vaca do rebanho que estava prenha. A vaca estava mutilada, sem língua, sem olhos e sem as orelhas. O bezerro estava com parte de sua cabeça para fora do corpo da mãe e estava igualmente mutilado. "Foi como se ela tivesse começado a dar à luz quando morreu", disse Garcia perplexo.

Moradores da região observaram objetos luminosos sobre a região onde o fato aconteceu. Raúl, trabalhador rural de um campo de Carmen de Patagones, de propriedade de Miguel Angel Córdoba e onde foram encontrados dois animais mutilados - disse que viu "uma forte luz violeta". "Era noite e estávamos com um lenhador da casa quando uma forte luz violeta apareceu e depois de alguns minutos desapareceu", disse ele à polícia.

O veterinário Gustavo Ribera, que voltava naquela noite de um campo localizado entre San Antonio Oeste e Viedma, disse que ao fechar um portão, ele viu "uma forte luz vermelha no céu". "Então ficou verde até chegar a um branco muito intenso, um fenômeno que também alertou quem me acompanhou no veículo", acrescentou Ribera.

Em 18 de julho de 2002, sete animais foram encontrados mortos e mutilados em Colonia Yataí, província de Formosa. A região já vinha sendo palco de mortes e mutilações de animais havia 2 meses, totalizando 21 casos. Nesta data, em específico, o produtor Luis Fernandez alertou o quartel da polícia da cidade sobre os casos recorrentes e consequentemente a imprensa local. Imediatamente formou-se uma comissão multidisciplinar para investigar o caso. O chefe do escritório local do SENASA em Mision Laishi, o veterinário Ariel Llamas e seu assessor, seguido pelo coordenador provincial Dr. Alcides Serochi, também acompanhado por outro médico e duas outras pessoas, dirigiram-se ao local, que era de difícil acesso.

Ao analisar os animais mortos, o espanto foi geral. Partes da boca, língua e traquéia haviam sido removidos com precisão e a cauterização era evidente. Não havia sangramento e um olho havia sido removido. A análise dos especialistas revelou que o couro dos animais apresentava-se descolorado, diferente da pele de animais sacrificados para alimentação, por exemplo, que fica opaca e dura. Os proprietários resolveram retirar pedaços de carne dos animais mortos, para alimentar os cães da fazenda, que aceitam praticamente tudo o que lhes é oferecido. Para a surpresa de todos, os cães não se interessaram pela carne, que não atraiu sequer as moscas varejeiras comuns naquela região e que atacam carne exposta ou em decomposição. Curiosamente, a carne logo tornou-se escura, fato que foi ignorado pelos especialistas da SENASA.

Em Pueblo Santa María, distrito de Coronel Suárez, a 200 quilômetros ao norte de Bahía Blanca, vários vizinhos afirmaram ter visto luzes maiores que as estrelas, de cores diferentes, subindo e descendo. Em 14 de outubro, dez pessoas do bairro de Stroeder avistaram um objeto luminoso que desapareceu lentamente após alguns minutos.

E embora insista na tese de que roedores causaram as mutilações, novos casos de mutilações aconteceram coincidindo com o aparecimento de UFOs sobre as regiões de ataque. Os animais mortos apresentavam cortes limpos, uniformes e precisos, sem rasgar o tecido dos animais atacados.
No ano seguinte, ocorreram novas mortes de animais em condições estranhas. Enquanto os ataques de 2002 enquadravam-se nas tradicionais mutilações de gado por tripulantes de UFOs, os casos de 2003 remetem à uma criatura estranha avistada na região de Salta. De acordo com os relatos, ela seria bípede e teria aproximadamente 2 metros de altura, grandes olhos com brilho avermelhado, e mãos com garras muito fortes. Ele seria bem maior do que o chupacabras relatados em outros países, que teria no máximo 1,60m.

Pedro e Demetrio Villalba, Eleuteria del Carmen Alvarez e Nerida del Valle Marearena são moradores da região de Rosario de La Frontera e não se conheciam, porém avistaram, em 13 de janeiro em diferentes regiões do município, a estranha criatura e seus relatos coincidem nos mínimos detalhes.

Os fatos continuaram ocorrendo nas primeiras semanas de fevereiro de 2003, na mesma região de Rosário de la Frontera, outras pessoas avistaram o misterioso ser, que teria atacado animais de médio e grande porte em fazendas da região, inclusive atacando algumas pessoas na área florestal de Arroyo Salado. O fato gerou inquietação na região, motivando uma investigação policial, com o objetivo de esclarecer os fatos.

"Como medida inicial, começamos a entrevistar todos aqueles que afirmam ter visto ou tiveram um encontro com esse espécime", disse o policial encarregado da investigação, Rene Humberto Tacacho. "Mais tarde, solicitaremos instruções às autoridades superiores, pois se enfrentarmos uma espécie desconhecida, a coisa mais lógica a fazer é capturá-la viva para estudos subsequentes".

A investigação em Arroyo Salado entrevistou um casal que foi atacado por estranha criatura na região e outras testemunhas que também viram a criatura próxima à um rio. Também entrevistou o bombeiro José Exequiel Alvarez, que é também arqueólogo amador e que encontrou pegadas de um animal desconhecido e restos ósseos de um potro. Os ossos foram examinados pelo veterinário Luis Calderón, que confirmou ter sido mordido por um animal com dentes afiados, mandíbulas poderosas e incisivos afiados que perfuravam os ossos do cavalo.

Em 26 de fevereiro, por volta das 22hrs, a criatura foi vista novamente, na região de Salta. A testemunha, Patricio Saldaño, era guardião do depósito de lixo da região. Ele foi surpreendido pelos latidos insistentes dos 30 cães de caça. Ele pegou uma lanterna e dirigiu-se ao curral, de onde ouvia o barulho dos animais.

Eu não podia acreditar, a menos de 10 metros de distância estava o estranho animal cabeludo que as pessoas relataram, de pé sobre duas pernas. Era como um macaco enorme. Não fazia barulho. Apenas olhou para mim fixamente com seus olhos vermelhos e de vez em quando movia seus braços poderosos para assustar meus cães, que estavam assediando, mas não atacando. A fera, pertencente a uma espécie que eu nunca tinha visto em livros, tinha unhas (dedos) semelhantes à punhais, que brilhavam à luz", disse Saldaño.

Com o aumento no número de relatos, as autoridades organizaram uma equipe composta por 20 policiais, 15 sertanejos e 12 bombeiros, com o objetivo de encontrar a estranha criatura. Além destes, jornalistas acompanharam as incursões do grupo nas incursões em meio à mata. A expedição partiu na noite de sexta-feira, 28 de fevereiro, seguindo pelas matas de Arroyo Salado. Durante as buscas, os membros da equipe ouviram uivos estranhos e encontraram pegadas de uma criatura bípede. Durante a madrugada, os mais de 30 cães de caça, que acompanhavam o grupo, começaram a latir furiosamente. Alguns membros do grupo viram uma figura escura desaparecendo em meio a vegetação. Um dos cães saiu em perseguição ao estranho ser e nunca mais foi encontrado. A expedição chegou ao fim sem que tenha encontrado e capturado o estranho animal.

O mistério e a inquietação pública continuaram nos dias seguintes, a ponto do juiz Mario Dislacio ordenar a abertura de registro em relação às reivindicações relacionadas à existência de um animal bípede e humanóide, estranho, que andava rondando as áreas florestais a leste da cidade de Rosario de la Frontera. Isso levou a polícia a organizar uma segunda expedição.

"Reunimos relatórios, entrevistamos todas as pessoas que alegam ter sido testemunhas da aparição incomum e, desde quinta-feira passada, mantêm uma observação e vigilância especiais sobre as áreas onde a presença desse ser foi relatada, descrita como um hominídeo peludo de grande tamanho e ferocidade", disse Roque FarÌas, chefe da 3ª Unidade Regional da Polícia Provincial, localizada em Metán, cuja jurisdição também abrange Rosário e seus arredores.

Esta segunda expedição dividiu-se em equipes para monitorar e vasculhar os locais onde a criatura foi vista. E assim como na primeira expedição, nenhum animal estranho foi de fato avistado ou capturado. Aos poucos o caso foi saindo dos noticiários, a histeria local diminuiu e uma aparente tranquilidade voltou à região.

Anos depois, em 2008, ocorreu outro caso de morte em situações estranhas, desta vez aparentemente ligado ao chupacabras. O caso ocorreu em 1º de maio, em Rosário, província de Santa Fé, Argentina. Daniel Angel R., morador na área de Echesortu, criava cães em um terraço. Durante a noite, ele ouviu seus cães latindo intensamente. Ele não deu importância, pois era comum seus cães latirem a noite.

No dia seguinte, ele encontrou um de seus cães mortos, com um sinal de mordida no pescoço. O ferimento estava limpo. Era profundo a ponto de permitir ver-se os ossos do pescoço do animal. Não havia sangue no corpo nem no local onde o animal foi morto. Também não havia sinais de luta no local. Embora houvesse outros cães no ambiente, apenas um animal foi morto. Intrigado, ele levou o cadáver do animal para a 6ª delegacia de polícia da cidade, onde registrou a ocorrência.

Em 12 de novembro daquele ano ocorreu outro caso intrigante. Uma senhora, moradora da região de Entre Ríos, acordou com o barulho produzido por seus animais, que estavam em um cercado próximo à sua casa. Ela criava coelhos, galos e galinhas e imediatamente levantou-se e foi ao local verificar. Ao chegar no local percebeu que havia um animal de pelagem escura cercando seus animais. Alguns deles já estavam mortos. Um dos coelhos estava descarnado do pescoço para cima. Os ossos estavam limpos e não havia vestígios de sangue no animal ou no ambiente. O caso permaneceu inexplicado como tantos outros envolvendo mutilações de gado ou ataques de chupacabras.

Poucos meses depois, em maio de 2009, ocorreu uma série de avistamentos de uma estranha criatura, na região de Rio Grande. Mais de 10 testemunhas, na maioria sem relações entre si, relataram à polícia o avistamento de um ser bípede, peludo, com aproximadamente 1,60m, com olhos vermelhos, braços curtos e mãos com garras compridas. Com os depoimentos, a polícia montou uma patrulha, na noite de 8 de maio, com o objetivo de capturar o estranho animal, sem sucesso.

Em setembro de 2010, o chupacabras voltou a ser notícia na Argentina, quando ataques resultaram na morte de 10 ovelhas, em uma propriedade rural de Campo Viera, em Missiones. Devido à gravidade da situação e ao prejuízo gerado, o dono dos animais, José Fraga, foi à polícia local para registrar queixa. Ao chegar na delegacia, ele foi desencorajado pelos policiais, pois não havia a quem culpar pelas mortes. Mesmo assim, a polícia acabou investigando o caso.

Durante as investigações descobriu-se pegadas idênticas à outras obtidas em locais de ataques de chupacabras em outros países. Tratava-se de um animal com três dedos, com garras e de grande porte. Os animais atacados eram em sua maioria fêmeas prenhas, que apresentavam marcas de mordida no pescoço.

Andres Gonzalez, xerife de Campo Viera, confirmou que os ataques ocorreram duas vezes e que “é realmente notável que o animal não devorou ​​nenhuma ovelha. Apenas os matou mordendo o pescoço, e o sangue só foi encontrado nessa área do corpo. Não foi encontrado nada no resto de seus corpos.

O xerife relatou que ele tinha ido pessoalmente ao sítio de Fraga para ver o evento por si mesmo. "As amostras de carcaça de ovelhas foram recolhidas, porque havia vestígios de muco e pode ser possível determinar o que atacou essas criaturas, e saberemos em alguns dias", explicou. “Muitas pessoas estão dizendo outras coisas, mas temos que esperar e evitar tirar conclusões precipitadas. Realmente não sabemos o que pode ser, porque um puma ou um yaguareté devorariam um dos animais. Mas, neste caso, há 10 ovelhas mortas e nenhuma delas foi tocada, apenas para matá-las... ”disse González.

A crença na presença de um Chupacabras na região começou a ganhar força na localidade, e logo surgiram vacas exibindo marcas de mordida estranhas, na região de Campo Grande. Logo se percebeu a semelhança entre as marcas, o que gerou inquietação em toda a região, levando os criadores a redobrar a segurança.

Miguel Figueredo era zelador no sítio onde os ataques ocorreram. Ele ficou surpreso com os acontecimentos e, por enquanto, cuida das duas ovelhas e uma vaca que sobreviveram ao ataque. “As ovelhas têm ferimentos no pescoço, se tornaram apáticas… Não bebem nem comem e estão em péssimas condições. A vaca tem mordidas em seu úbere e ouvi pelo rádio que outras vacas foram feridas em Campo Grande...”, explicou, um assustado. “É como se todo o sangue tivesse sido sugado. O veterinário que chegou aqui cortou uma delas (ovelha) e nem a água saiu”, acrescentou sem hesitar.

O veterinário citado Arno Stockmanns, observou incisões precisas no pescoço dos corpos, que estavam sem sangue. Havia também ferimentos profundos na região do nariz dos animais, sendo que em uma delas o ferimento era perfeitamente circular e uma das ovelhas teve laceração (carne arrancada). Havia também marcas nas costas dos animais, com remoção de lã e cortes profundos nas orelhas. Ele também percebeu que animais carniceiros não se aproximaram dos animais mortos. Curiosamente, formigas avançaram sobre as carcaças das ovelhas mortas, mas voltaram quando atingiram a área do pescoço. Algumas morreram no local, indicando que havia algo tóxico presente ali.

Ao analisar as ovelhas sobreviventes, ele percebeu que elas apresentavam infecção e prescreveu o remédio Irondel, a cada 48 horas. O acompanhamento posterior mostrou que o medicamento foi ineficaz. Em suas declarações sobre o caso, ele considerou a possibilidade de o ataque ter sido causado por um filhote de puma ou por um yaguaraté (jaguar). Porém, ele mesmo reconhece que não há evidências disso e que as pegadas encontradas correspondem às encontradas em locais de ataque do Chupacabras no México e Porto Rico. "Até o dono da fazenda tirou fotos de algumas pegadas que encontrou no local e são muito parecidas com as dos Chupacabras do México", reconheceu.

Quando um gato ataca o gado, há traços de luta e sangue, mas aqui as ovelhas estavam completamente sem sangue e as feridas cauterizadas e secas", declarou José Fraga, dono dos animais.

O estranho predador voltou a atacar, dias depois, causando novos prejuízos e driblando a vigilância montada para proteger as ovelhas sobreviventes dos dois primeiros ataques. O número de ovelhas mortas subiu para 15. A Servicio Nacional de Sanidad y Calidad Agroalimentaria (SENASA) investigou as mortes, porém os dados não foram divulgados.

Um ano depois, em outubro de 2011, ocorreu um novo caso de mortes em situações estranhas. Vários gansos e patos foram encontrados mortos, em 9 de outubro, em áreas de criação em San Vicente e Alejandro Korn. Nesta última cidade, foram contabilizadas as perdas de 21 gansos e 9 patos. O dono ouviu barulho vindo da área onde os animais estavam guardados. Ele correu até o local e ao chegar já encontrou seus animais mortos. As aves tinham ferimentos no pescoço, que aparentemente queimados por atrito, segundo uma fonte policial que investigou o fato. Os animais tinham politrauma vertebral, mostrando que o predador tinha muita força e inteligência.

O diretor de Bromatologia do município de San Vicente, Federico Basile, que examinou cada uma das aves, revelou que “elas foram estranguladas. É um fato bastante natural, não de dimensões sobrenaturais, porque se vê uma atuação inteligente”. Ele considera a possibilidade de ter sido um ritual de umbanda.

Enquanto as autoridades consideram a possibilidade de um ritual umbandista, o povo considera a possibilidade de Chupacabras. A opinião popular se reforça pelo fato de terem sido encontradas pegadas de um animal estranho, de grande porte, nos locais de ataque. Além disso, alguns moradores locais chegaram a observar o estranho animal, que não era em nada semelhante aos animais da região.

Outro ponto que reforça a opinião da população é o fato de que as cercas não foram violadas. Em todos os ataques as cercas estavam inteiras. O animal atacante soube passar pela proteção, sem violá-la. Assim como nas diversas ondas registradas na Argentina em outros países, o fenômeno encerrou-se de forma tão repentina e estranha quanto começou.

Em 2018 ocorreram novos e intrigante casos, que deixaram a população da província de Santa Fé assustadas. Em julho, cinco animais apareceram mortos em El Cerrito (em Fortín Olmos) e outros sete em Malabrigo. Houve ainda pelo menos uma dúzia de casos não relatados à imprensa, polícia ou SENASA, ocorridos ao norte de Santa Fé.

Um dos casos mais interessantes ocorreu em 4 de agosto, na propriedade de Norberto Bieri, no pequeno povoado de Colonia Duran. Sete vacas, que estavam prenhas, apareceram mortas e mutiladas, com incisões precisas e remoção de língua e órgãos genitais. Em todos os cadáveres havia ausência de sangue, deixando os veterinários atônitos.

Tem vindo veterinários da região e ninguém sabe dizer como nem com o que pode-se se produzir algo assim. Quer dizer, não há explicação científica. Tudo parece ter sido cortado com laser, não deixando rastros nem de sangue, nem das partes que faltam”, assinalou o proprietário, Bieri. E assim como em outros casos de mortes de animais em condições estranhas, os animais carniceiros ou insetos não aproximaram-se das carcaças. E assim como em outros casos, não demorou e surgiram relatos sobre objetos luminosos sobrevoando a região na noite que as mortes aconteceram. O próprio dono dos animais observou a passagem destes objetos.

Procurada pela imprensa, a SENASA explicou que a fauna que se alimenta de animais mortos começa pelos tecidos moles, como boca e ânus. Porém, como se comprovou neste caso, nem animais carniceiros nem moscas se aproximaram das carcaças. Mesmo assim, a SENASA insistiu na tese, culpando o rato de focinho vermelho pelas mutilações, mesmo sabendo-se que tal animal é reconhecidamente herbívoro. A explicação da SENASA também não explica a precisão nos cortes, nem a cauterização documentada. A agência alega que os animais morreram por condições climáticas típicas da região, o que geraria doenças e deficiências imunológicas nos animais. Porém, produtores rurais e veterinários independentes foram categóricos ao afirmar que tais casos fogem completamente do padrão, sendo completamente atípicos. Não é raro eles afirmarem nunca terem visto algo parecido.

Os casos mais recentes ocorreram em 24 de julho de 2019, na propriedade da família Morales, na região de Bairro Triangulo, em Monte Quemado. Cinco cabras apareceram mortas, com perfurações nos corpos, sem órgãos internos e sem sangue, tanto nos corpos quanto no ambiente onde morreram.

Em um vídeo que circula pelas redes sociais, são observados animais mortos, com pequenos orifícios por onde os órgãos e as vísceras provavelmente foram removidos com uma limpeza típica da cirurgia, deixando uma perfuração circular no couro do animal, de um corte perfeito, típico do bisturi de um cirurgião e em alguns tiveram o globo ocular removido.

"Há uma cabra cuja cabeça e couro foram encontrados e parece que a carne, as vísceras e os ossos foram removidos, deixando a cabeça e o couro como quando a tampa de um travesseiro é removida", disse um vizinho, que ao mesmo tempo dizia “que Deus nos liberte e nos guarde. O diabo passou por aqui”.

Embora altamente estranho, o caso aparentemente não foi investigado pelas autoridades e o assunto foi ignorado pela grande imprensa. Mas dado o histórico argentino de casos de mortes mutilações de animais, principalmente associado ao fenômeno UFO, podemos esperar que novos casos ocorram no futuro.


13 cabras foram mortas em Punta de Los Llanos, província de La Rioja, no noroeste da Argentina.

13 cabras foram mortas em Punta de Los Llanos, província de La Rioja, no noroeste da Argentina.

13 cabras foram mortas em Punta de Los Llanos, província de La Rioja, no noroeste da Argentina.

13 cabras foram mortas em Punta de Los Llanos, província de La Rioja, no noroeste da Argentina.

Pegada encontrada em área de ataques de Chupacabras em Missiones. O padrão de pegada corresponde à várias outras encontradas em locais de ataques de chupacabras em diversos países.

Pegada encontrada em área de ataques de Chupacabras em Missiones. O padrão de pegada corresponde à várias outras encontradas em locais de ataques de chupacabras em diversos países.

Pegada encontrada em área de ataques de Chupacabras em Missiones. O padrão de pegada corresponde à várias outras encontradas em locais de ataques de chupacabras em diversos países.

Jornal argentino divulgado mortes de animais em circunstâncias estranhas.

Jornal argentino divulgado mortes de animais em circunstâncias estranhas.

Jornal argentino divulgado mortes de animais em circunstâncias estranhas.
A Evolução do Fenômeno
O fenômeno Chupacabras surgiu oficialmente em Porto Rico, em 1995. Porém, antes disso já havia relatos de mortes de animais e estranhos predadores circulando no país. Após surgir, ou ressurgir em Porto Rico o fenômeno rapidamente se espalhou para outros países vitimando milhares ou milhões de animais e até seres humanos.

O Caso do Vampiro da Moca
Em 1975, ocorreu uma onda de mortes de animais em circunstâncias estranhas na região de Moca, Porto Rico. Hoje, décadas depois, o mistério permanece.

Casos em Porto Rico e Outros Mistérios
Em 1995, ocorreu uma grande onda de mortes de animais em circunstâncias estranhas. Não demorou e surgiram relatos sobre uma estranha criatura na ilha.

Casos no México
O México foi o segundo ou terceiro país a registrar ataques do Chupacabras, e ali o predador se mostrou ainda mais voraz e agressivo do que em Porto Rico. E assim como na pequena ilha caribenha, o México já havia experimentado rápidos e misteriosos ataques anos antes.

Casos Mexicanos Mais Recentes
O México foi o segundo ou terceiro país a registrar ataques do Chupacabras, e ali o predador se mostrou ainda mais voraz e agressivo do que em Porto Rico. E mesmo décadas depois, o fenômeno ainda continua vivo no país.

Casos em Países da América Central
Os vários países da América Central foram palco de ataques de Chupacabras entre 1995 e 2020.

Ataques de Chupacabras no Estado do Paraná.
Entre 1997 e 1999, o Estado do Paraná foi palco de várias dezenas de ataques do Chupacabras, que resultaram na morte de várias centenas de animais de criação

Relatório de Carlos Alberto Machado
Estranhas mortes de animais na região metropolitana de Curitiba. Apesar das negativas oficiais das autoridades existem evidências fortes indicando que os ataques tem origem em um animal não catalogado pela Ciência.

Sitiante Viu Tudo e Desmente Laudo
Carlos Messner, dono de vários animais atacados pelo Chupacabras denuncia acobertamento governamental.

O Caso de Ortigueira (PR)
O Caso de Ortigueira é um caso impressionante. Sessenta e seis ovelhas foram mortas e empilhadas em duas pilhas de 33 ovelhas cada, dentro do próprio aprisco, próximo à casa do proprietário.

Casos Ocorridos em 1999, no Paraná
Um impressionante caso de ataque de Chupacabras em área urbana e densamente povoada, ocorrido na periferia da cidade de Curitiba (PR), em 1999.

A Volta do Chupacabras?
Estranhas mortes de animais ocorridas na região de Curitiba. Seria a volta do Chupacabras ou ataque de animal predador comum?

Chupacabras no Estado de São Paulo
O Estado de São Paulo registrou dezenas de casos com várias centenas de animais mortos, dentro da onda de ataques do Chupacabras, em 1997.

O Caso da Praia Grande (SP)
Transcrição de artigo, publicado na Revista UFO Especial, edição 19, de setembro de 1997.

Ataques no Estado de São Paulo em 1999
Em 1999, ouve uma pequena onda de ataques atribuídos ao Chupacabras em diferentes localidades do estado de São Paulo.

Estranho Animal Ataca em Canoinha (SC)
Transcrição de Reportagem do Jornal O Planalto, de 1 de agosto de 1997.

Ataques de Chupacabras no Mato Grosso do Sul
Transcrição de artigo, publicado na Revista UFO, edição 53, de setembro de 1997.

Ataques no Rio de Janeiro se Confundem com Mutilação
Transcrição de artigo, publicado na Revista UFO, edição 53, de setembro de 1997.

Matanças Caninas em Série
Transcrição de artigo, publicado na Revista UFO, edição 53, de setembro de 1997.

Alienígenas Predadores: A Face Sinistra da Ufologia
Transcrição de artigo, publicado na Revista UFO, edição 53, de setembro de 1997.

Casos no Chile
O Chile foi outro país que registrou, durante anos, uma grande incidência de ataques do misterioso Chupacabras.

Casos na Argentina
Diferentes de outros países sul-americanos, os casos de Chupacabras se confundem com as misteriosas mutilaçoes de gado associadas ao fenômeno UFO.

Casos no Paraguai
Em todos os países da América Latina foram registrados ataques de Chupacabras. No Paraguai não foi diferente. Numerosos animais foram vitimados ali, pela estranha criatura.

Casos Ocorridos nos Estados Unidos
Nos Estados Unidos também foram registrados casos de ataques de Chupacabras. Porém, o país agiu de forma eficiente acobertando fatos e ridicularizando o tema.

Casos na Colômbia
Em 2016, uma onda de ataques ocorreu na Colombia, vitimando centenas de animais de criação.

Ataques à Humanos
Em vários países onde o Chupacabras se manifestou, diversas pessoas tiveram a desagrável experiência de serem atacadas pela criatura. Alguns casos, de forma bastante trágica.

Acobertamento
Em todos os países onde o Chupacabras se manifestou ocorreu um processo de acobertamento e ridicularização de fatos, por parte de autoridades, além de manobras de capturas, realizadas por militares. Muitas delas com sucesso.

Registros Fotográficos de Estranhos Animais
Ao longo das ondas de ataques de Chupacabras surgiram fotografias que seriam registros fotográficos do estranho animal. Embora tais registros não sejam irrefutáveis, apresentamos aqui os mais importantes.

Hipóteses e Teorias Sobre Chupacabras
Ao longo das ondas de ataques de Chupacabras surgiram fotografias que seriam registros fotográficos do estranho animal. Embora tais registros não sejam irrefutáveis, apresentamos aqui os mais importantes.

Padrões e Características em Ataques de Chupacabras
Conheça as diferenças entre ataques de predadores convencionais e aqueles registrados em casos de ataques de Chupacabras.

Análises Laboratoriais
Detalhes sobre análises laboratoriais realizadas em pêlos e fezes de animais estranhos, coletadas em locais de ataque de Chupacabras.

Entrevista com Fernando Grossman
Durante a realização do IV EXPO-UFO (Exposição Ufológica do Guarujá – SP), realizada em 19 e 20 de julho de 1997, Fernando Grossman concedeu uma entrevista ao ufólogo Carlos Alberto Machado.

Entrevista com Madelyne Tolentino
Madeline Tolentino é testemunha visual do Chupacabras em Porto Rico. Foi a primeira pessoa a relatar publicamente ter avistado a estranha criatura.

Entrevista com Daniel Pérez
Daniel Pérez é uma das principais testemunhas de Chupacabras de Porto Rico. Ele foi entrevistado pelo ufólogo Jorge Martin.

Comentários (3)

Você está revendo: A Volta do Chupacabras?
Sort
5/5 (2)
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Alexandre Takaoka (Londrina, Brazil) diz...
Parabéns pela pesquisa. aguardo novas informações!
15 September 2018 03.10
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Fernando Oliveira diz...
Deve ser consequência de mais uma ação da lava-jato. Tem todas as características: Onde passa, arrasa tudo.
29 June 2018 18.42
Gravatar
Marcos diz...
Arrasa com a bandidagem, viva a Lava-Jato!
22 September 2019 13.31
Página 1 de 1

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • MACHADO, Carlos Alberto. Olhos de Dragão - Reflexões para uma nova realidade. Curitiba: Aramis Chain, 2001.
  • MACHADO, Carlos Alberto. Estranha Colheira. Mutilações humanas do insólito. São José dos Pinhais, 2018.

 


- Boletins
  •  

 


- Artigos de Revistas
  • MARTIN, Jorge. Chupacabras: aliens ou aberração genética?. Revista UFO, p. 12-14, agosto de 1996.
  • MARTIN, Jorge. Uma teoria: Intercâmbio genético por emissões eletrônicas. Revista UFO, p. 17, agosto de 1996.
  • MONDINI. Animal desconhecido encontrado mutilado em São Paulo. Revista UFO, p. 20, agosto de 1996.
  • STIEVEN, Mauren. Novos ataques no Mato Grosso do Sul. Revista UFO, p. 27 à 31. , Setembro de 1997.
  • EQUIPE NPU. Mortes de animais geram polêmica. Revista Fatos & Mistérios, p. 36 à 39. Novembro de 1997.
  • SIERRA, Javier. Novos ataques da criatura no Caribe. Revista UFO nº 50, p. 21 à 24. Abril de 1997.
  • MACHADO, Carlos Alberto. Chupacabras. Revista UFO nº 66, p. 37 à 45. Agosto de 1999.
  • EQUIPE CIPEX. Esclarecimentos que nada esclarecem. Revista UFO nº 66, p. 41 e 42. Agosto de 1999
  • EQUIPE CIPEX. Militar fala sobre Chupacabras. Revista UFO nº 66, p. 43. Agosto de 1999
  • SAN MARTIN, Paulo. Chupa-cabras. Que bicho é esse? Revista Extra nº1, p. 4 à 5. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Episódios com o bicho causam alvoroço nacional. Revista Extra nº1, p. 6 à 7. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Ovelhas mortas: é o início da história. Revista Extra nº1, p. 8 à 12. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Sitiante viu tudo e desmente o laudo. Revista Extra nº1, p. 13 à 14. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Bicho aparece, deixa pistas e ganha forma. Revista Extra nº1, p. 18 à 20. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Chupa-cabras deixa seus rastros na terra. Revista Extra nº1, p. 21 à 22. Agosto de 1997.
  • EQUIPE CEPEX. Animal anda rebolando e é visto por tratorista. Revista Extra nº1, p. 23 à 25. Agosto de 1997.
  • MONDINI. Histórico: Porto Rico exporta Chupacabras para o mundo. Revista UFO Especial, 19. p. 6 à 9. Setembro de 1997.
  • SCHELLHORN, Cope. Fenômeno causa terror e polêmica no Caribe. Revista UFO Especial, p. 10 à 13. Setembro de 1997.
  • MONDINI. Epidemia: Ação devastadora do Chupacabras chega ao Brasil. Revista UFO Especial, p. 14 à 18. Setembro de 1997.
  • MONDINI. Mutilações misteriosas se proliferam sem explicação. Revista UFO Especial, p. 20 à 22. Setembro de 1997.
  • ATHAYDE, Reginaldo. Alienígenas predadores: A face sinistra da Ufologia. Revista UFO Especial, p. 23 à 25. Setembro de 1997.
  • BARBOSA JUNIOR, Orlando. Ataques no Rio de Janeiro se confundem com mutilação. Revista UFO Especial, p. 26 à 33. Setembro de 1997.
  • SUENAGA, Claudio. Chupacabras em constante processo de evolução. Revista UFO Especial, p. 36 à 40. Setembro de 1997.
  • VILA NOVA, Jamil. Estranho ataque investigado no litoral paulista. Revista UFO Especial, p. 34 e 35. Setembro de 1997.
  • COVO, Claudeir. Ataques deliberados da criatura desconhecida. Revista UFO Especial, p. 41 e 42. Setembro de 1997.
  • MONDINI. Chupacabras. Revista UFO. nº67. p. 40 à 48. Setembro de 1999.
  • MOORE, Simon. Revista Inexplicado, nº 2 p. 34 e 35.,

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

 


- Outros
  • https://pr.ricmais.com.br/seguranca/noticias/mais-de-50-aves-tem-coracoes-arrancados-em-curitiba/
  • https://redemassa.com.br/tribuna-da-massa-3/2018/03/07/ataque-as-galinhas-continua-um-misterio-15392/v/
  • https://tnonline.uol.com.br/noticias/mundo-bizarro/64,461579,02,03,sessenta-aves-tem-coracao-arrancado-em-galinheiro-no-parana.shtml
  • http://www.fatimanews.com.br/brasil/60-aves-sao-mortas-e-tem-coracao-arrancado/185746/
  • https://massanews.com/noticias/plantao/misterio-60-aves-sao-mortas-e-tem-coracao-arrancado-7m8x6.html
  • https://www.bemparana.com.br/noticia/sessenta-aves-sao-mortas-e-tem-o-coracao-arrancado-no-bairro-alto-
  • http://www.bandab.com.br/cidades/60-aves-tem-coracao-arrancado-em-galinheiro-no-bairro-alto-para-vizinhos-e-um-misterio/
  • http://www.tribunapr.com.br/noticias/curitiba-regiao/mais-de-50-galinhas-sao-mortas-em-suposto-ritual-e-caso-macabro-assusta-dona-de-viveiro/
  • http://g1.globo.com/pr/parana/paranatv-2edicao/videos/t/edicoes/v/misterio-morte-de-aves-e-ovelhas-intriga-moradores-de-sao-jose-dos-pinhais/6624129/
  • https://g1.globo.com/pr/parana/noticia/caseiro-faz-armadilha-e-captura-caes-que-mataram-dezenas-de-animais-em-sitios.ghtml
  • http://pautasjp.com/2017/noticia.php?nid=4262
  • http://olharanimal.org/morte-misteriosa-de-animais-intriga-moradores-de-sao-jose-dos-pinhais-pr/
  • https://www.bemparana.com.br/noticia/caes-suspeitos-pela-morte-de-varios-animais-sao-levados-para-centro-de-zoonoses