Caso Onilson Pátero - A Primeira Abdução

Um dos mais importantes casos de abdução da Ufologia Brasileira envolveu o comerciante Onilson Pátero, que em duas ocasiões foi abduzido. Na segunda vez, ele foi deixado a 300 quilômetros do local do sequestro.
Você está aqui:
Página Inicial >> Casos Ufológicos >> Caso Onilson Pátero - A Primeira Abdução

Página Principal do Caso


Página 1 - A Primeira Abdução


Página 2 - A Segunda Abdução


SBEDV - Pesquisa

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Na noite de 21 para 22 de maio de 1973, na estrada de Itajobi, ao norte do Estado de São Paulo, o comerciário Onilson Pátero voltava para casa (em Catanduva). Ele voltava da cidade de Oswaldo Cruz, onde tinha ido à trabalho. Ele iniciou sua viagem por volta das 23:00 horas, e viajaria 280 Km até Catanduvas, em seu carro, um Opala, de cor azul.

Ao passar pela ponte do "Salto" de Avanhadava, a aproximadamente 150 km de Catanduva, deparou-se com um carro forte parado na rodovia e um rapaz pedindo carona, na proximidades. Seu primeiro pensamento foi de que o moço fosse conhecido do posto policial rodoviário perto de Avadanhava, situado ali próximo. Onilson se apresentou, seguido pelo rapaz, que disse se chamar Alex. Onilson ofereceu cigarro, mas o rapaz recusou, dizendo que não fumava quando estava viajando. Entretanto, o rapaz portava algo semelhante à uma caixa de cigarros, metálica, que mantinha próximo ao corpo.

Durante a viagem, ambos conversaram animadamente. O estranho fez várias perguntas sobre Onilson, sobre seu grau de instrução e seu modo de vida, quanto tempo ele morava em Catanduva, ramo de atividade, entre outras coisas. Onilson respondia a todas as perguntas e ocasionalmente perguntava também. Uma destas perguntas foi sobre o ramo de atividade de Alex. O rapaz respondeu que seu ramo era negócios. Ao longo da conversa, o rapaz demonstrou ter uma ótima memória, pois lembrava tudo o que Onilson falara. Ao dar carona ao rapaz, Onilson falou onde morava, citando nome da rua e número de sua casa. Ao final da carona, cerca de uma hora e meia depois, o rapaz agradeceu a carona e declarou: "Qualquer dia destes vou lhe fazer uma visita em sua casa, lá na Rua tal, número tal", repetindo exatamente o mesmo endereço.

Inicialmente, o destino de Alex seria Catanduva, cidade para onde Onilson se dirigia. Em dado momento da viagem, na rodovia Washington Luis, à entrada de Catanduva, o estranho afirma que ter lembrado que seu destino não era Catanduva, e sim Itajobi, situada a 18 Km de distância.

Na noite de 21 para 22 de maio de 1973, na estrada de Itajobi, ao norte do Estado de São Paulo, o comerciário Onilson Pátero voltava para casa (em Catanduva). Ele voltava da cidade de Oswaldo Cruz, onde tinha ido à trabalho. Ele iniciou sua viagem por volta das 23:00 horas, e viajaria 280 Km até Catanduvas, em seu carro, um Opala, de cor azul.

Ao passar pela ponte do "Salto" de Avanhadava, a aproximadamente 150 km de Catanduva, deparou-se com um carro forte parado na rodovia e um rapaz pedindo carona, na proximidades. Seu primeiro pensamento foi de que o moço fosse conhecido do posto policial rodoviário perto de Avadanhava, situado ali próximo. Onilson se apresentou, seguido pelo rapaz, que disse se chamar Alex. Onilson ofereceu cigarro, mas o rapaz recusou, dizendo que não fumava quando estava viajando. Entretanto, o rapaz portava algo semelhante à uma caixa de cigarros, metálica, que mantinha próximo ao corpo.

Durante a viagem, ambos conversaram animadamente. O estranho fez várias perguntas sobre Onilson, sobre seu grau de instrução e seu modo de vida, quanto tempo ele morava em Catanduva, ramo de atividade, entre outras coisas. Onilson respondia a todas as perguntas e ocasionalmente perguntava também. Uma destas perguntas foi sobre o ramo de atividade de Alex. O rapaz respondeu que seu ramo era negócios. Ao longo da conversa, o rapaz demonstrou ter uma ótima memória, pois lembrava tudo o que Onilson falara. Ao dar carona ao rapaz, Onilson falou onde morava, citando nome da rua e número de sua casa. Ao final da carona, cerca de uma hora e meia depois, o rapaz agradeceu a carona e declarou: "Qualquer dia destes vou lhe fazer uma visita em sua casa, lá na Rua tal, número tal", repetindo exatamente o mesmo endereço.

Inicialmente, o destino de Alex seria Catanduva, cidade para onde Onilson se dirigia. Em dado momento da viagem, na rodovia Washington Luis, à entrada de Catanduva, o estranho afirma que ter lembrado que seu destino não era Catanduva, e sim Itajobi, situada a 18 Km de distância.

Naquele horário, de madrugada, não havia transporte disponível até aquela localidade. Além disso, chovia, razão pela qual Onilson resolveu levá-lo até seu destino final. Ao chegar na localidade, deixou-o na praça central e recusou o dinheiro que o estranho lhe oferecera. Mesmo com essa oposição, o estranho colocou uma nota de 50 cruzeiros no bolso da blusa que ele vestia. Após isso, despediram-se e Onilson dirigiu-se para sua casa novamente. Ele consultou o relógio, verificando que eram aproximadamente 3 horas da manhã.

Quando faltavam 7 quilômetros para chegar ao seu destino fatos insólitos começaram a ocorrer. Inicialmente, Onilson percebeu uma interferência no rádio de seu carro. Onilson foi diminuindo o volume do som. Além disso, o motor do carro começou a falhar, perdendo rendimento. Pouco depois, ele percebeu o surgimento de um foco de luz azul, com uns 20 cm de diâmetro, no painel à sua frente.

Aquele foco de luz deslocou-se para a direita, posicionando-se no banco vazio ao seu lado. Em seguida, o foco desceu, passando para o lado esquerdo, em um movimento ondulatório, colocando-se sobre os pedais, onde desapareceu. Onde este facho de luz incidia, a área iluminada ficava transparente, permitindo à Onilson ver o motor funcionando e o asfalto passando por baixo do veículo. Intrigado, olhou o céu, através do pára-brisa, visando identificar a origem e tal fenômeno. A noite estava escura e a chuva engrossava.

O motor do carro continuava a apresentar problemas, obrigando Onilson a reduzir a marcha. Passados 500 metros após uma subida, Onilson percebeu uma luz intensa, logo à frente. Desta luz, um feixe luminoso vinha em sua direção. Ao se aproximar do objeto, pela estrada, a luz foi ficando tão intensa e cegante, que Onilson teve que proteger seus olhos. Imaginando que tratava-ede um veículo, vindo em direção contrária, sinalizou quatro vezes, alternado entre farol alto e baixo. Não houve qualquer resposta. As falhas no motor intensificaram-se, diminuindo ainda mais o rendimento do veículo. Onilson diminuiu a marcha, passando-a para primeira. Temendo uma batida com o suposto veículo, o motorista desviou o carro para o acostamento, onde parou de forma atravessada. Não conseguiu ver se estava ainda na pista ou fora dela, devido à luz que o cegava.

Neste momento, percebeu que todo o sistema elétrico do veículo estava inoperante. Motor, faróis, rádio e painel estavam em pane. Ele retirou os óculos e temeu por um impacto de um possível caminhão. Percebendo que tal veículo não passava, resolveu arriscar olhar a origem de tal luz. Para sua surpresa, observou um objeto suspenso no céu. Ele tinha formato circular, como duas abóbodas superpostas.

Ainda sentado no banco do motorista, sentiu forte calor. Ele abriu a porta, e colocou o pé direito no chão, ocasião em que notou que do objeto surgiu uma espécie de campo envolvente, ao mesmo tempo em que sentiu a temperatura amenizar. Onilson permaneceu observando o objeto que emitia um zumbido. Do aparelho surgiu uma espécie de cilindro, que desceu ao solo, aproximando-se da testemunha que, assustada, pensou em fugir. Ele pensou em fugir em direção à Itajobi, entrando em um bosque e em seguida tentar chegar à Catanduva. Ele chegou a correr uns 30 metros, até que sentiu que algo o prendeu. Ele descreveu o mecanismo como sendo uma espécie de borracha fina, embora não tenha visto de fato o que seria. Ele se virou, em direção ao carro, e percebeu que o objeto encontrava-se próximo deste, iluminando-o com o raio de luz. Espantado, percebeu que seu carro estava todo transparente, como vidro. Em seguida, perdeu os sentidos.

Na manhã seguinte, o policial Clóvis Queiroz, encontrava-se em sua guarita, no entroncamento Catanduva - Presidente Washington Luiz, quando, pouco antes das 5 horas da manhã, foi procurado por dois rapazes. Estes contaram que passaram com sua Kombi pela estrada de Itajobi e em determinado trecho havia um homem caído ao lado de um Opala, que tinha as portas abertas e os faróis acesos.

Imediatamente, o guarda seguiu de carro até o local informado por volta das 5 horas da manhã. Ele posicionou seu carro, iluminando a vítima, que ainda estava caída. Em seguida, aproximou-se para examiná-lo. Ao perceber que ele estava vivo tentou desvirá-lo. Imediatamente, Onilson tentou soltar-se do guarda, aparentando forte impacto emocional. Ao ser questionado pelo guarda sobre o que tinha acontecido, Onilson declarava: "Eles querem me pegar...". Assim que conseguiu , identificou-se e narrou todos os fatos ocorridos.

Naquele momento, aproximava-se um caminhão, carregado com pintinhos. O guarda sinalizou ao motorista, pedindo-o que parasse. Em seguida, levou o motorista até Onilson e disse:? "Estamos aqui, agora, nós três. Eu o desafio a dizer onde estão os caras que, segundo me informou, querem pegá-lo". Diante de tal pergunta, Onilson declarou: "O negócio aqui é sério... não foi brincadeira não". Ainda incrédulo, o guarda considerou Onilson como tendo sido vítima de ataque epilético e achou melhor encaminhá-lo para tratamento. Ele dirigiu-se até o carro, para fechá-lo e percebeu um mapa rodoviário aberto. Ele questionou Onilson, se o mesmo havia consultado o mapa, antes do desmaio. Onilson negou e declarou que mapa era dele e estava guardado em uma pasta ao lado do acento.

Ambos inspecionaram o local e encontraram a pasta aberta no assento, com os papéis remexidos, espalhados pelo assento e no chão do veículo, embora a chave da pasta ainda estivesse no bolso de Onilson. Onilson reafirmou não ter aberto a pasta e remexido os papéis.

Pouco depois, o guarda rodoviário levou Onilson para a emergência da Santa Casa de Catanduva, onde ele foi atendido pelo médico Dr. Elias Azis Chediak, que o submeteu a exames clínicos, à testes neurológicos e psicológicos, não encontrando nada de anormal. Um fato estranho constatado por todos os envolvidos é o fato de Onilson ter estar sob a chuva da madrugada, estando assim todo encharcado, com exceção das costas de sua blusa, que encontrava-se seca.

A esposa de Onilson, ao receber a notícia de que seu marido estava no Hospital, apanhou roupas limpas e dirigiu-se para a Santa Casa. Ao chegar encontrou o marido e constatou, espantada, que os cabelos de Onilson estavam pretos, ao invés de castanho, sua cor natural. A cor natural só reapareceu 3 ou 4 dias após o contato.

Outro distúrbio fisiológico apresentado por Onilson foi uma estranha coceira surgida logo após o caso. O Dr. Chediak prescreveu um medicamento, recomendando-lhe que voltasse no dia seguinte, para complementação dos exames e acompanhamento.


 
A Primeira Abdução
Conheça os detalhes da primeira abdução de Onilson Pátero.

A Segunda Abdução
Conheça os detalhes da segunda abdução de Onilson Pátero.

Ufólogos Investigam o Caso
Relatório de investigação da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV).

Indícios, Evidências??
Indícios, evidências e comprovações deste caso.

Pesquisas Paralelas
Dados sobre pesquisas paralelas conduzidas por membros da família de Onilson Pátero.

A Hipnose de Onilson Pátero
Transcrição de trechos da hipnose de Onilson Pátero.

Outros Casos Ocorridos em Cataduva e Região
Dados sobre outros casos ocorridos na região de Catanduva (SP).

Abdução em Catanduva [Por Irene Granchi]
Artigo de Irene Granchi sobre o Caso Onilson Pátero.

Crítica Negativa Deste Caso
Polêmicas envolvendo o Caso Onilson Pátero.

O Protagonista
Conheça o perfil do abduzido Onilson Pátero.

Galeria de Imagens do Caso
Galeria de fotografias, imagens e ilustrações sobre o caso.



Comentários (7)

Você está revendo: Caso Onilson Pátero
Sort
5/5 (7)
1 2 > último
FacebookGoogle+Twitter
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Lucas Bolsone Rodas (Catanduva - SP, Brazil) diz...
Correção do nome: Gumercindo Fernandes RODAS, meu querido avô.

Obrigado.
24 October 2019 10.09
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarEmpty Star
Silvia Lima (Santa Adelia, Brazil) diz...
Ola vc é mesmo neto do seu Onilson Pátero. hoje vi a historia dele nunca tinha ouvido falar , fiquei sabendo da história pelo canal FREAK TV; depois procurei mais ele e achei a entrevista. adoraria saber mais sobre a historia dele.
6 December 2019 00.15
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Luis Carlos dos Santos (Catanduva. S.p, Brazil) diz...
Para quem não acredita fica aqui à dica existe sim ,Est,eu sou prova viva me comunico todos os fias por telepatia com eles,telefone watzap 17.996335712.luis
11 September 2019 12.09
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarFull Star
Miquéias Porfirio da Silva (Jaboatão dos Guararapes PE, Brazil) diz...
Porque a midia geral não divulga esses fatos fantásticos para o mundo deixar, de indioticies a TV o Ràdio, e ficam divulgando Bactérias em asteroids. São centenas de casos.Wink
14 December 2018 20.01
Gravatar
Full StarFull StarFull StarFull StarEmpty Star
Udson Dias dos Santos (Catanduva-SP, Brazil) diz...
Apenas detalhes no texto acima, que em seu inicio menciona que o Onilson de deslocava de São José do Rio Preta a Catanduva e que havia acabado de passar o Rio Tietê e as Quedas de Anhanduva, bom o Rio Tietê passa a mais de 100 km de distancia de Catanduva e de São José do Rio Preto, e as Quedas de Anhanduva nunca ouvi falar. Depois menciona "Faltavam duzentos e cinquenta quilômetros para Catanduva, bom, a distância entre Catanduva e São José do Rio Preto e de 55 KM, e nesse ... Leia mais
5 June 2018 09.21
1 2 > último
Página 1 de 2

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • BULHER, Walter e PEREIRA, Guilherme. O Livro Branco dos Discos Voadores. Petrópolis: Ed. Vozes, 1983.
  • GRANCHI, Irene. UFOs e abduções no Brasil. Tradução de Liana Moreira. Rio de Janeiro. Novo Milênio: 1992.

 


- Boletins
  • B47 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 94-98
  • B48 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 99-103
  • B50 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 112-115
  • B59 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 158-161
  • B63 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores - Edição 1975

 


- Artigos de Revistas
  •  
     

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários
  •  

 


- Sites e Blogs

- Outros
  •