Pouso de UFO em Mount Pleasant, Canadá

Interessante caso de pouso de disco voador com vestígios físicos residuais, ocorrido em Mount Pleasant, Ontário, Canadá, em 6 de julho de 1975.


Transcrição de trecho do Livro UFO - Observações, Aterrissagens e Sequestros, de Yurko Bordachiuk

Sumário:


 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Na maioria dos casos de supostas aterrissagens de UFOs a única prova que encontramos são, normalmente, as marcas no solo. Apenas em raros casos foram encontrados resíduos fora do comum ou depósitos. No domingo, 6 de julho de 1975, foi descoberta a presença de uma substância oleosa logo após uma aterrissagem na fazenda de tabaco de Joseph B., localizada em Mount Pleasant, Ontário, trinta milhas a sudoeste de Hamilton.

Mr. B. estava passeando pela fazenda quando notou um objeto metálico, brilhante e abobadado, pousado num campo de tabaco próximo. Seu primeiro pensamento foi "um disco voador... isto é um disco voador!". Então, como se obedecesse a alguma sugestão subconsciente e afastando aquela idéia como se fosse uma peça que sua mente lhe tivesse pregado, voltou a pensar: "Não, isto é um caminhão-tanque", e prosseguiu em sua tarefa diária.

Dois dias depois, Mr. B, se deu conta do significado da sua suposta visão de um caminhão-tanque. Estava ele ao ar livre, trabalhando no campo quando, de repente, por volta das onze horas, começou a sentir calor e enjôo, achando melhor antecipar seu horário de almoço. Duas horas mais tarde, ao voltar para o trabalho deparou com uma marca descolorida e circular no seu campo de tabaco e que devia ter entre trinta e quarenta pés de diâmetro (entre 9 e 12 metros). Era obvio que alguma coisa com peso considerável tinha feito aquele estrago.

Mais tarde, o pesquisador de UFOs Graham Conway investigou o incidente e descreveu os acontecimentos seguintes:

"Então veio-lhe à mente que fora ali que tinha avistado o disco, dois dias antes... Não havia rastros visíveis que pudessem sustentar a idéia inicial de se tratar de um caminhão-tanque. Contudo, sobre o solo e dentro do circulo haviam duas manchas de alguma substancia com uma tonalidade púrpura avermelhada, escorregadia e oleosa, mas não pegajosa. Estas manchas deviam ter mais ou menos o tamanho de um punho e o estranho material, ao que parecia, tinha penetrado diversas polegadas pelo solo adentro.

O fazendeiro, então começou a questionar a sua teoria do caminhão-tanque. Evidentemente, o que quer que tivesse causado aquele estrago na plantação tinha partido da mesma forma como tinha chegado - pelo ar! Se tivesse sido um caminhão-tanque, teria que ter passado pela casa da fazenda. Ninguém o vira passar por lá. Ademais, o caminhão teria que ter passado por cima de alguns canos de irrigação que teriam ficado amassados. Não estavam. Parecia, agora, que a chave do mistério estava naquela substância descoberta. Mr. B. resolveu consultar o irmão, Charles, que àquela época era promotor público do Condado de Brant. Juntos decidiram notificar o destacamento Brantford, da Polícia Provincial de Ontário (OPP), que chegou pouco depois a fim de recolher amostras de solo oleoso e da vegetação e mandá-las para o assistente do Procurador-Geral de Ontário, do Centro de Serviços de Toronto.

Todos, é claro, aguardaram ansiosos os resultados dos testes. Pouco depois, Douglas Lucas, o diretor do Centro de Serviços Forenses, revelava:

"A amostra compreendia tabaco e solo, não era radioativa nem continha óleo. Declarava que fora isto que a polícia tinha pedido ao Centro para verificar".

Esta declaração, é lógico, não explicava a verdadeira composição da substância. Se não era óleo, o que era? Também não explicava a natureza da tinta púrpura. Segundo o Sargento Bud Soroka, do pessoal da OPP, " amostra parecia-se muito com uma esponja porém era um pouco mais firme ao toque". É evidente que se fosse apenas tabaco e solo não poderia responder por esta composição fora do comum.

Conquanto possa ser possível, e até profundamente provável, que o Centro de Serviços Forenses tenha podido determinar a fórmula exata da substância, a análise continua sendo objeto de um sigilo cuidadosamente mantido. Apesar das repetidas tentativas feitas por diversas organizações de pesquisas sobre os UFOs no sentido de que o relatório fosse revelado ao público, o FSC recusou-se terminantemente a fazê-lo. Douglas Lucas justifica a posição do FSC como uma política padrão, argumentando que relatórios deste tipo eram de natureza interna e não seriam, normalmente levados ao conhecimento do público.

Compreensivamente, isto deu origem à especulação de que o FSC tinha-se defrontado com uma possível descoberta de ma substância "alienígena".


Três semanas após o episódio, a marca circular ainda estava visível


Comentários

Sem comentários.

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  • BONDARCHUK, Yurko. UFO - Observações, Aterrissagens e Seqüestros. Tradução de Wilma Freitas Ronald de Carvalho. São Paulo: Ed. Difel, 1982.

 


- Boletins
  •  

 


- Artigos de Revistas
  •  

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs

- Outros
  • Rutkowski, Chris. "The Langenburg CE2 Case: When UFOs Left Their Mark," in "UFOs: 1947-1997" edited by Evans and Stacy (1997)
  • Edmonton Journal (Edmonton, Alberta, Canada), Sept. 4, 1974. (reprinted in FSR 1974 No. 3)