Abdução em Pelotas - Caso José Inácio Álvaro [Artigo na Revista Planeta]

Interessante caso de abdução, ocorrido em Pelotas, Rio Grande do Sul, e envolvendo um jovem estudante gaúcho, chamado José Inácio Álvaro.
Você está aqui:
Página Inicial >> Casos Ufológicos >> Abdução em Pelotas - Caso José Inácio Álvaro [Artigo na Revista Planeta]

Página 4 - A Pesquisa da SPIPDV


Página 5 - Artigo na Revista Planeta


Página 6 - Galeria de Imagens do Caso


Por Luis do Rosário Real

 

 


Em Ufologia, honestidade é tudo. Ao copiar material deste site cite a fonte, assim como fazemos em nosso site. Obrigado!

 

Introdução

Na noite de 4 de março de 1978, um sábado, aproximadamente às 23:30, José Inácio Álvaro e um amigo, Adão Costa Silva, chegaram à minha residência, Visivelmente nervoso, José Inácio apresentou-se, pedindo desculpas pela visita daquela hora, A seguir, declarou que precisava narrar um fato estranho e inexplicável que lhe sucedera na madrugada do dia 3 de março, das 3hrs. Disse que me procurava por eu ser um ufólogo e presidir a Sociedade Pelotense de Investigação e Pesquisa de Discos Voadores (SPIPDV), um órgão que poderia ajudá-lo a elucidar o misterioso fato, pois este se relacionava ao aparecimento de um OVNI,

José Inácio, 18 anos na época, estudava em horário noturno, frequentando o último ano do curso de eletrônica, na Escola Técnica Federal de Pelotas (RS). Dois dias antes do episódio havia feito uma palestra sobre discos voadores, durante a aula da professora Eni F. Zambrano, e ficara surpreso com o fato de ter sido muito bem-sucedido, uma vez que havia lido apenas um livro de Erich Von Daniken (Eram as Deuses Astronautas) e alguns artigos meus, no Diário Popular, da série "Discos Voadores O Enigma do Espaço".

Na noite de 2 de março, entre 20h e 20h30, a professora Izenózia Silva da Silva, residente na rua Santos Dumont, 35 , no bairro Simões Lopes, ao sair para a frente de sua casa, devido à falta de energia elétrica, observou no céu um estranho objeto circular, de luz acinzentada. O objeto deslocava-se lentamente a uns 30º acima do horizonte, no lado Sul, A professora estranhou o fato e chamou seu vizinho, o jovem Orlando Costa Silva, que veio acompanhado do amigo José Inácio.

Um detalhe interessante da observação é o fato de três terem percebido o objeto de forma diferente, embora estivessem juntos. Assim, a professora viu “uma circunferência de cor cinza-fosco"; Orlando descreveu uma circunferência também cinza, mas com uma luminosidade na periferia; e José Inácio observou que o núcleo do objeto tinha a "cor do sol nascente,'' e " uma nuvem acinzentada" na periferia.

Quando o objeto sumiu, o grupo ficou comentando o fato por algum tempo e se dispersou após a volta da energia elétrica. Os dois rapazes dirigiram-se para o centro da cidade, entrando na casa de lanches O Forno. Saíram por volta das 23h, encaminhando-se para a casa de Alfredo Assis Álvaro, pai de José Inácio, no bairro Fragata, um dos mais populosos da cidade e distante aproximadamente 8 km do centro. José Inácio pretendia dar uma olhada na casa, pois seu pai se encontrava viajando.

"Um Fino Raio de Luz"

Na volta para o centro, enquanto esperavam pelo ônibus da Cohab bairro onde morava José Inácio com sua mãe, distante 10 km dali. Jose Inácio sentiu sonolência. Avisados de que o ônibus não passava ali aquela hora, os dois amigos se despediram e José Inácio dirigiu-se para a rua General Osório, onde tomaria sua condução, Entretanto, inexplicavelmente, quando o ônibus que esperava apareceu, o rapaz não embarcou nele. Levado aparentemente por uma força estranha, Jose Inácio dirigiu-se novamente à casa de seu pai.

O estudante chegou à casa do pai, na rua Gonçalves Ledo, 504, quando já passava das 2h da madrugada de sexta-feira, 3 de março. Como da vez anterior, abriu a casa e ligou as luzes. Depois, ficou de pé, encostado na porta da frente, entreaberta. De repente, ao olhar para o céu, lado sul, avistou aquele objeto voador que observara horas antes, no bairro Simões Lopes.

Daquele estranho objeto veio em sua direção um facho luminoso, semelhante a "um fino raio de luz azulada". José Inácio sentiu em sua mente uma projeção, como "um filme passando rápido", na qual viu "cenas de guerras, de mortes com baionetas e até brigas entre seus familiares". Depois, sem saber como, ele "acordou" no meio do campo, deitado sobre um capinzal, a cerca de 1 km da casa de seu pai.

Ai existe um lapso de tempo do qual Jose Inácio não consegue recordar-se. Lembra-se apenas de que estava muito tonto quando se deu conta de sua situação. Antes de levantar-se, pareceu-lhe ter ouvido ulna voz, através de sua mente, que lhe dizia algo relacionado com uma tarefa que teria de cumprir ou que já havia cumprido.

Ainda estonteado, ergueu-se para retomar a casa do pai. Para ter certeza de que não estava sonhando, bateu no próprio rosto e beliscou-se, pois tudo lhe parecia fantástico e irreal. Caminhando, procurava concatenar as ideias, vindo-lhe à lembrança o estranho raio luminoso que o objeto voador projetara sobre ele na casa de seu pai. Depois do "filme visto através da mente", não tinha ideia do que lhe sucedera, nem de como havia ido parar naquele lugar. Conseguiu encontrar o caminho de volta orientando-se pelas luzes do bairro. Chegando a casa, a porta ainda permanecia aberta e as luzes acesas, conforme deixara. Consultando o relógio, Jose Inácio viu que passava das 4h. Pelos seus cálculos, havia passado cerca de uma hora longe de casa. Ainda meio tonto, fechou a casa. Não avistou na rua nenhuma pessoa com quem pudesse falar. Decidiu então dirigir-se para sua residência, na Cohab. Quando lá chegou, o dia ainda não amanhecera, deitou-se, mas não conseguiu dormir, pois se sentia cansado e insone.

Tarefa Cumprida

Enquanto se revirava na cama, Jose Inácio percebeu uma luz, como um relâmpago, penetrar em seu quarto, através da veneziana. Nessa fração de tempo ouviu uma voz dizendo: "Tua tarefa foi cumprida... tua tarefa foi cumprida." E adormeceu.

Quando acordou, embora fatigado, Jose Inácio foi trabalhar, mas, por mais que tentasse, não conseguia concentrar-se, lembrando-se constantemente do episódio. Foi estão que passou a preocupar-se seriamente com a experiência pela qual passara. Sentia necessidade de esclarecer o ocorrido, mas não tinha a mínima noção de como fazer isso. Ansioso, aconselhou-se com amigos e, ciente dos artigos sobre ufologia que eu publicava no Diário Popular, decidiu procurar-me.

Revelações por Hipnose

Para tranquilizar o rapaz, afirmei que acreditava em sua história, mas que, para saber realmente o que lhe sucedera no período de tempo do qual não se recordava, era necessário recorrer a uma hipnose regressiva. Após explicar que esse recurso já fora aplicado em outros casos semelhantes, com resultados plenamente satisfatórios, convenci-o, sem coagi-lo, de que dessa forma ele se veria livre do problema que o afligia.

A ideia da regressão hipnótica foi logo aceita por José Inácio, com a condição de o trabalho ser conduzido por um profissional capacitado, idôneo e experiente, a fim de prevenir possível dano a sua saúde. No dia seguinte, 4 de março, foram feitos Os primeiros contatos necessários à realização da hipnose.

A primeira sessão de hipnose foi realizada por um advogado, professor, psicólogo e também hipnólogo, na noite de 16 de março, entre 2lh e 22h. O trabalho foi coordenado por mim e assistido por várias pessoas, entre as quais alguns professores, estudantes e um funcionário estadual. Em resumo, foram estas as principais perguntas e respostas da sessão:

Quando chegaste à casa de teu pai, o que fizeste?

Eu vi uma luz... a mesma luz que havia visto antes... havia uma espécie de raio... me sentia tonto... muito tonto.. . aquela luz parecia me dizer que eu tinha de caminhar... e eu acompanhei aquela luz...ate o campo... .

Foste caminhando com os teus próprios meios ... caminhando naturalmente ... aquela Luz ... o que aconteceu?

Aquela luz...veio em minha direção... do fundo do campo... ela desceu...em forma de energia forma luminosa muito forte... sobre a minha cabeça...

Sim, e daí... deu para perceberes alguma coisa além da luz?

Alguém me pegou... me agarrou .. . e era um vulto... mais de um me levaram para dentro daquele objeto luminoso...

Como era o objeto? Chegaste a ver a forma dele?

Não exatamente ... pouquinha coisa não prestei muita atenção

Chegaste a ver coma era o tipo... desse vulto?

Era como se fosse uma pessoa qualquer ... mais de uma levaram-me em direção daquele objeto que estava sobre o campo tive a impressão que subi... era como se não houvesse a gravidade ... a nave estava acima do solo ... eu subi junto com essas pessoas...

E aí... o que fizeram contigo?

Entrei... tinha uma mesa... a mesa colorida ... cheia de luzes ... disseram que eu tinha de fazer alguma coisa naquele momento... mas eu estava muito tonto... não entendi exatamente o que me disseram...eu vi uma mulher lá dentro... um pouco idêntica às humanas... a pele Clara... bem clara... ela estava sem roupa...

Deram alguma coisa para tomares?

Não... só me examinaram muito...eu estava muito tonto...botaram as mãos sobre a minha cabeça... disseram que eu tinha uma tarefa importante para fazer...que eu não me preocupasse...

Sim, qual seria essa tarefa? Procura lembrar tudo o que aconteceu.

Eles me botaram junto da moça no chão... como se fosse uma rede... como se fosse de couro macio...a moça me agarrou...característica semelhante a qualquer mulher... me acariciou... que eu não ficasse nervoso que eles vieram em missão de paz...vieram fazer uma das muitas experiências já feitas... o vulto é que me disse isso... o vulto em forma de energia... uma pessoa como se tivesse um sombreado... não dava para distinguir...

Procura contar tudo o que te aconteceu e o que viste nesse momento.

A moça começou a me acariciar... tirei a minha roupa... eu estava muito tonto... ela estava nua... o busto... um pouco diferente... mais cheio... os seios normais... os cabelos prateados olhos claros...

E, então, o que houve entre vocês dois?

Tivemos relações...

Normais?

Sim normais...

Como é que ela se expressava para ti?

Era só por gestos... tentava soar alguma coisa... uma espécie de cansaço

Depois disso... o que houve?

Alguma coisa me disse... como se fosse telepaticamente... que tudo tinha sido normal... botei a minha roupa... os vultos colocaram as mãos sobre a minha cabeça... fiquei mais consciente.

Jose Inácio depois do fato... do contato com a moça... o que se passou? Disseram alguma coisa?

Sim... que a minha tarefa estava cumprida , como se eu estivesse flutuando... assim no ar... como se não tivesse o campo de gravidade... como se tivesse passado através daquelas paredes desci lentamente até o solo no campo...

For causa da impossibilidade do mesmo hipnólogo comparecer à segunda sessão de hipnose, Esta foi conduzida por outro profissional habilitado, odontólogo e também hipnólogo. A sessão foi realizada na noite de 28 de março entre 2lh30 e 22h30, em local diferente, coordenada novamente por mim e acompanhada por várias pessoas. Nessa segunda oportunidade o estudante foi induzido a vivenciar tudo o que se passou.

Reações de Pavor e Prazer

Essa segunda sessão confirmou a primeira, isto é, os depoimentos obtidos em uma e outra coincidiram de forma generalizada não deixando duvidas quanto à autenticidade do fato ufológico. Eis um pequeno resumo das principais perguntas e respostas, nas quais o rapaz exterioriza as suas reações:

Jose Inácio, procura lembrar... naquela noite, quando estavas na frente da casa do teu pai, o que aconteceu contigo?

Vi uma luz...

E, depois, o que houve?

Um raio sobre a minha mente, mostrando um filme... eu vejo... guerra ,... um fino raio em direção do objeto... estou com o corpo todo adormecido ... ai... ai... meu corpo está duro ai... ai... não posso me mexer... minha cabeça está doendo... ai... ai...estão me conduzindo em direção à luz... meu corpo está duro... agora estou caminhando em direção ao campo... meu corpo dói... ai... ai...

Que mais aconteceu, então?

Eu vejo dois vultos... no campo estão me agarrando ... ai... ai ... não posso me mexer... eles botaram as mãos na minha cabeça...fiquei todo duro e todo torto...aquela luz...entrei na luz... estou subindo... estou subindo... eu subi... ai...ai... eu vejo uma luz circular lá dentro... dois vultos escuros... eles têm uma fisionomia de gente...ai...ai...não!...não!...ai... .

Eles falam contigo?

Não... telepaticamente só... minha cabeça está doendo... ai... ai...

Telepaticamente, o que disseram?

Que eu ficasse tranquilo...mas eu estou com medo...ai...ai... que é apenas uma experiência... uma das muitas experiências...que eles já fizeram...tem uma mulher... ai... ai... uma mulher bonita... uma mulher bonita... ela esta sem roupa...ai...ai...o vulto põe a mão na minha cabeça...eu fico tonto, mas mais consciente...vejo a mulher mais nítida...o vulto mandou eu tirar a roupa... eu tirei... estou nu... eles estão me examinando...

O que eles estão examinando em ti?

Ai...ai...os olhos...abriram a minha boca... eles pegaram um aparelho, parece um radio... pequeno... luminoso... botaram no meu peito... ai... ai...estou mais calmo... .

O que mais se passou? E a mulher... Esta se chegando para ti?

Está... ela me acariciou... Que coisa bonita...eu também a acariciei...ela está sorrindo...eu agarrei nos cabelos dela...cabelos prateados ... bonitos macios...eu a beijei... ela me beijou... que corpo! meu Deus!... que coisa linda!

Escuta... O que mais se passou? Tiveste relações com ela?

Tive...ah!...ah!...


Conheça este caso mais detalhadamente acessando nosso menu abaixo:
Resumo do Caso
Conheça os detalhes envolvendo o Caso José Inácio Álvaro

A 1ª Hipnose Regressiva
Transcrição de trechos a Hipnose de José Inácio

A 2ª Hipnose Regressiva
Transcrição de trechos a Hipnose de José Inácio Alvaro

Testemunhos Adicionais
Vários testemunhos adicionais confirmam vários aspectos do relato de José Inácio Álvaro

Artigo na Revista Planeta
Artigo de Luiz do Rosário Real, publicado na Revista Planeta em junho de 1985

Galeria de Imagens do Caso
Galeria com fotos, desenhos e croquis relacionados ao caso


Comentários

Sem comentários.

Adicionar Comentário

* Informação requerida
(não será publicado)
 
Bold Italic Underline Strike Superscript Subscript Code PHP Quote Line Bullet Numeric Link Email Image Video
 
Smile Sad Huh Laugh Mad Tongue Crying Grin Wink Scared Cool Sleep Blush Unsure Shocked
 
3000
 
Notifique-me de novos comentários via email.
 



Referências:

- Livros
  •  

 


- Boletins
  • Boletim da SBEDV - ed. 132/135 - agosto de 1980
  • Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores -- Especial 1975

 


- Artigos de Revistas
  • ROSÁRIO REAL, Luis do. O Rapto de José Inácio. Planeta Especial, São Paulo, nº 153-C, p.16-19, jun /1985.

 


- Documentos Oficiais
  •  

 


- Vídeos e Documentários

 


- Sites e Blogs
  •  

 


- Outros
  •